Morte de líder do Boko Haram pode aumentar a perseguição, na Nigéria

Confirmada a morte do líder do Boko Haram Abubakar Shekau, na Nigéria
Confirmada a morte do líder do Boko Haram Abubakar Shekau, na Nigéria. Foto – Divulgação

A morte do líder do grupo militante islâmico nigeriano Boko Haram foi confirmada por uma facção rival, que afirmou ter cometido o assassinato por ordem direta da liderança do Estado Islâmico a milhares de quilômetros de distância, no Oriente Médio.

Abubakar Shekau, um dos mais infames líderes de grupos militantes islâmicos em todo o mundo, morreu explodido no mês passado enquanto era perseguido por combatentes da Província da África Ocidental do Estado Islâmico (Iswap).

Os combatentes Iswap haviam invadido a floresta Sambisa, uma faixa de floresta densa estrategicamente importante no nordeste da Nigéria, que era a base de Shekau.

Publicidade

Sua morte encantou e embaraçou os serviços de segurança nigerianos e internacionais, que passaram uma década dedicando enormes recursos à caça de Shekau.

O fato de a operação contra Shekau ter sido lançada sob as ordens diretas da liderança de Ísis no Oriente Médio, que está preocupada com o direcionamento de “crentes” pelo Boko Haram, sublinha o contínuo alcance global do grupo através de seus afiliados e a possibilidade de mais expansão na África.

As facções extremistas islâmicas em todo o Sahel intensificaram os ataques nos últimos meses, trazendo novos níveis de violência em algumas regiões.

Mais de 120 moradores morreram em um ataque em Burkina Faso na semana passada, em um dos massacres mais sangrentos já registrados. Nenhum grupo assumiu a responsabilidade.

As implicações da morte do líder do Boko Haram, não é uma boa notícia. A igreja está prevendo mais pressões como resultado disso. Há uma expectativa de que o ISWAP incorpore membros das facções de Shekau.

“A comunidade local no Nordeste, Centro-Norte e até mesmo no Sul da Nigéria podem ser alvo do grupo extremista, onde temos evidências de que em alguns casos eles se infiltraram e se camuflaram como militantes fulanis.”

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: