Militares invadem igrejas cristãs de Kachin em Mianmar

O Tatmadaw tem perseguido por muitos anos o povo majoritariamente cristão Kachin e Chin, o grupo étnico Karen

Militares invadem igrejas de Kachin em Mianmar
Um culto de oração da Convenção Batista Kachin no Domingo de Páscoa, 4 de abril. Foto Divulgação

O Exército de Mianmar que também é conhecido como Tatmadaw, invadiu três igrejas cristãs no estado de Kachin, em Mianmar em 3 de abril. Segundo fontes locais, um pastor teve sua casa revistada pelos militares.

Os militares do Comando do Norte, realizaram buscas em três igrejas em Mohnyin Township para investigar alegações que os cristãos estavam abrigando alguns líderes de protesto e que ministros da igreja estavam envolvidos em ativismo anti-golpe.

“Não foi uma busca aleatória. Eles foram meticulosos, escalaram as cercas e entraram em todos os prédios do complexo”, disse Awng Send, pastor de uma das igrejas. “Um policial entrou pela porta, mas não disse uma palavra e foi direto revistar minha casa.”

Publicidade

Casa de pastor invadida

“Este é um local religioso que compartilha os ensinamentos cristãos”, continuou ele. “Se eles querem revistar, eles deveriam ter buscado a aprovação dos líderes religiosos. Em vez disso, o pessoal empunhando armas chegou como se estivessem conduzindo uma operação militar.

“É inaceitável e condeno esse tipo de ação. Se eles se agem assim em terras religiosas, não podemos nem imaginar como eles se comportam nas casas das pessoas. Nenhum lugar é seguro.” Disse, o pastor.

Os ataques ocorrem em meio a tensões contínuas em Mianmar, de maioria budista, desde que o exército tomou o poder em um golpe militar em 1º de fevereiro.

Em 1º de março, militares arrombaram o portão de uma igreja cristã em Lashio, no norte do estado de Shan, e prenderam mais de 10 líderes religiosos por dois dias. Eles atiraram dentro da igreja enquanto procuravam manifestantes anti-regime que correram para o complexo.

Com mais de 400.000 membros e 429 igrejas, a Convenção Batista de Kachin desempenha um papel de liderança nas questões políticas e sociais de Kachin. O KBC disse que se opõe ao regime militar e tem feito cultos diários de oração, pedindo uma democracia federal com igualdade.

O Tatmadaw tem perseguido por muitos anos o povo majoritariamente cristão Kachin e Chin, o grupo étnico Karen, que inclui um número significativo de cristãos, bem como a maioria muçulmana Rohingya.

Em 27 de março, os caças do Exército de Mianmar lançaram ataques aéreos contra uma aldeia Karen, matando pelo menos três e ferindo oito.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: