Biden reconhece como genocídio o massacre contra cristãos armênios

Joe Biden reconhece formalmente as atrocidades contra os armênios como genocídio

Biden reconhece formalmente as atrocidades contra os armênios como genocídio
Biden reconhece formalmente as atrocidades contra os armênios como genocídio. Foto – Divulgação

O presidente dos EUA, Joe Biden, reconheceu como genocídio os massacres e deportações sistemáticas de centenas de milhares de cristãos armênios pelas forças do Império Otomano no início do século 20.

Biden usou um termo para designar as atrocidades do extermínio de mais de um milhão e meio de armênios nas mãos do Império Otomano, que seus antecessores na Casa Branca evitaram por décadas em meio a preocupações com a alienação da Turquia.

Com o reconhecimento, o líder americano cumpriu uma promessa de campanha que fez um ano atrás na comemoração anual do Dia da Memória do Genocídio Armênio para reconhecer que os eventos de 1915 a 1923 foram um esforço deliberado para exterminar os armênios.

O presidente Joe Biden, usou uma proclamação presidencial para fazer anúncio no 106º aniversário do início do massacre, lembrado nos Estados Unidos.

“A cada ano, neste dia, lembramos a vida de todos aqueles que morreram no genocídio armênio da era otomana e nos comprometemos a evitar que tal atrocidade ocorra novamente”, disse o presidente em comunicado.

“E vamos buscar a cura e a reconciliação para todas as pessoas do mundo. O povo americano homenageia todos os armênios que morreram no genocídio que começou há 106 anos hoje.” Disse, Biden.

O Ministério das Relações Exteriores turco disse em um comunicado: “Rejeitamos e denunciamos nos termos mais veementes a declaração do presidente dos Estados Unidos a respeito dos eventos de 1915 feita sob a pressão de círculos armênios radicais e grupos anti-Turquia”.

O ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, tuitou que “palavras não podem mudar a história ou reescrevê-la” e que a Turquia “rejeitou completamente” a declaração de Biden.

Minutos antes do anúncio de Biden, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan enviou uma mensagem à comunidade armênia e patriarca da Igreja armênia, dizendo que “a cultura de coexistência de turcos e armênios” não deveria ser esquecida.

Disse que o tema foi “politizado por terceiros e convertido em instrumento de intervenção contra o nosso país”.

O primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, chamou o reconhecimento de Biden de “um passo poderoso”, dizendo que “reafirma a supremacia dos direitos humanos e dos valores nas relações internacionais”.

Ele acrescentou: “Deste ponto de vista, é um exemplo inspirador e inspirador para todos os que desejam construir juntos uma sociedade internacional justa e tolerante”.

E o Sr. Pashinyan disse em uma mensagem ao Sr. Biden: “Eu aprecio muito sua posição de princípio, que é um passo poderoso para a restauração da verdade e da justiça histórica, um apoio inestimável aos descendentes das vítimas do genocídio armênio.”

A Turquia rejeita veementemente o rótulo de genocídio, admitindo que muitos morreram naquela época, mas insistindo que o número de mortos está inflado e as mortes resultaram de distúrbios civis.

O Império Otomano empreendeu o genocídio contra os cristãos armênios a partir de 1915, uma política que continuou durante os primeiros anos da República da Turquia. Estima-se que pelo menos 1,5 milhão de cristãos armênios foram mortos ou deslocados da atual Turquia.

forçando muitos armênios a se reassentarem em outros lugares e fazendo com que grandes populações armênias cresçam em todo o mundo, como na Califórnia.

Recentemente a Turquia, apoiou as agressões do Azerbaijão contra armênios que viviam em Nagorno-Karabakh, onde tropas azerbaijanas ao lado de mercenários sírios pagos pela Turquia invadiram a região e assumiram o controle após um acordo de cessar-fogo intermediado pela Rússia em dezembro.

Evidências de violência contra civis armênios e destruição de locais religiosos durante este conflito sugerem algum ódio religioso e étnico contra os cristãos armênios ainda mantido por muitos, uma reminiscência do genocídio de mais de um século atrás.

O Diretor da International Christian Concern (ICC), Matias Perttula, saudou a declaração do presidente, dizendo: “Nós da ICC elogiamos o presidente Biden por enfrentar a Turquia com esta designação”.

“Os cristãos armênios continuam a sofrer por causa da sistemática campanha otomana de 1915, e os Estados Unidos devem à comunidade armênia estar com eles em solidariedade, reconhecendo seu sofrimento”.

“Como herdeiros da mais antiga nação cristã no mundo, os armênios são parte integrante da comunidade global de cristãos e devem desfrutar da liberdade religiosa livre de perseguição”. Concluiu, Matias.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: