Outra menina cristã é sequestrada e convertida à força, no Paquistão

Mais uma menina cristã no Paquistão é sequestrada e forçada se casar com muçulmano

Mais uma menina cristã é sequestrada e convertida à força, no Paquistão
A menina cristã Shakaina Masih, foi sequestrada em 19 de fevereiro de 2021 em Lahore, Paquistão. Foto – Divulgação

O casal Johnson Masih e sua esposa Samina ficaram chocados quando a polícia em Lahore, Paquistão, disse a eles que sua filha uma menina cristã, de 13 anos, desaparecida desde 19 de fevereiro, havia se convertido ao islamismo e se casado com um muçulmano.

Dias depois de registrar um boletim de desaparecimento na polícia, em 21 de fevereiro, o oficial investigador os convocou à delegacia e mostrou uma certidão de casamento islâmica emitida por um clérigo do distrito de Okara, disse Masih, membro do Igreja do Paquistão.

“Ele disse que Shakaina agora era uma mulher muçulmana casada e não queria voltar para sua família”, disse Masih ao Morning Star News. De acordo com a certidão, o nome de seu suposto marido é Ali Bashir.

“Nunca ouvimos esse nome. Shakaina é apenas uma criança, que foi sequestrada e levada para Okara, onde ela foi convertida à força e conduziram o casamento falso para dar-lhe uma cobertura religiosa.” Disse, o pai da menina.

A filha trabalhava com a mãe como empregada doméstica em bangalôs na localidade de Valência, em Lahore. Quando Samina Masih foi buscar Shakaina em uma casa no dia 19 de fevereiro, os moradores disseram que a criança já havia partido.

A mãe da menina ligou para seus outros patrões, que disseram que Shakaina não estava lá. Ela então informou ao marido e, como não conseguiram encontrá-la, foram à polícia.

“A polícia não atendeu ao nosso pedido de registro de um FIR [First Information Report],” disse Johnson Masih. “O FIR foi finalmente registrado dois dias depois, em 21 de fevereiro.”

Relações sexuais com uma garota com menos de 16 anos é estupro legal no Paquistão, mas na maioria dos casos uma certidão de conversão falsificada e uma certidão de casamento islâmica influenciam a polícia a perdoar sequestradores.

Masih disse que a polícia ignorou seus repetidos apelos para se encontrar com sua filha.

“Já faz mais de 20 dias que nossa filha está sob custódia de sequestradores desconhecidos, mas não conseguimos vê-la. Disseram para procurar o tribunal se quiséssemos vê-la. Eles também se recusaram a agir quando mostramos a eles seu registro oficial de nascimento, segundo o qual ela tem apenas 13 e cinco meses.” Disse ele.

O advogado Rana Abdul Hameed disse que havia entrado com uma petição no Tribunal Superior de Lahore e apresentado pedidos às autoridades policiais para a recuperação de Shakaina, mas que a polícia não mostrou interesse no caso.

“É uma grande injustiça para a família pobre”, disse Hameed ao Morning Star News. “A filha deles está desaparecida há tantos dias, mas ainda não há informações sobre sua segurança e bem-estar”.

Ele acrescentou que os casos de conversão forçada de crianças de minorias em 96 por cento do Paquistão muçulmano estão aumentando devido à conivência de policiais e funcionários judiciais.

“Existem leis que proíbem o casamento de menores, mas a polícia não as aplica nos casos”, disse ele. “Além disso, as seções relacionadas a estupro e sequestro também são ignoradas, o que permite aos perpetradores obter fiança e sair do caso.

“Essa atitude preconceituosa está colocando em risco a segurança de todas as meninas das minorias cristãs e precisa acabar imediatamente”. Masih, um varredor de um escritório, disse que não vai descansar até que sua filha seja recuperada e devolvida à sua custódia.

“Todo o inferno desabou sobre nós, minha família está ‘destruída’ e cada dia que se passa aumenta nossa miséria. Não há lei ou justiça para cristãos pobres como nós?” Questiona, o pai da menina.

Aumento recorde em conversões forçadas

O sequestro de Shakaina aumenta a lista de casos crescentes de conversões e casamentos forçados de meninas pertencentes a minorias no Paquistão, particularmente nas províncias de Punjab e Sindh.

Um tribunal em Faisalabad em 16 de fevereiro devolveu Farah Shaheen, outra menina cristã no Paquistão, de 12 anos, que foi sequestrada por três muçulmanos, estuprada, convertida à força ao islamismo e forçada a se casar com um homem de 45 anos, segundo a família.

O Paquistão lidera o mundo em casamentos forçados, com cerca de 1.000 cristãos casados ​​contra sua vontade com muçulmanos de novembro de 2019 a outubro de 2020, de acordo com o relatório da organização de apoio cristão Open Doors ‘2021 World Watch List.

Em termos de sequestros, o relatório listou o Paquistão como o quarto lugar, com cerca de 100 sequestros. O Paquistão ficou em quinto lugar na lista do World Watch dos 50 países onde é mais difícil ser cristão.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: