Ler a Bíblia durante a pandemia dá esperança aos cristãos, diz pesquisa

Segundo à pesquisa os cristãos também estão lendo a Bíblia com mais frequência

Ler a Bíblia durante a pandemia dá esperança aos cristãos
Mulher lendo a Bíblia durante a pandemia. Foto – Divulgação

Uma pesquisa feita pela Sociedade Bíblica, revelou que ler a Bíblia durante a pandemia deu aos cristãos esperança em Deus e em seu futuro. Segundo a pesquisa, a Bíblia é uma fonte de resistência e bem-estar.

Na pesquisa, realizada pela Christian Research, cerca de 42% disseram que a leitura da Bíblia lhes deu um maior senso de esperança em Deus durante a crise, um número que subiu para cerca de metade (49%) de 45 a 54 anos -velhos.

Mais de um quarto (28%) disse que aumentou sua confiança no futuro, enquanto quase dois terços (63%) disseram que a leitura da Bíblia permitiu sua confiança permanecesse a mesma em vez de diminuir.

Leia também:

Pouco menos de um quarto (23%) credita à Bíblia pelo aumento de seu bem estar mental, chegando a quase a metade (47%) dos jovens de 24 a 34 anos. Um terço dos jovens de 16 a 24 anos disse que ler a Bíblia os ajudou a se sentir menos solitários.

Mais de um terço (35%) dos entrevistados relataram ler mais a Bíblia durante a pandemia, com o maior aumento ocorrendo entre os 25 a 34 anos de idade (53%).

A pesquisa descobriu que os cristãos também estão lendo a Bíblia com mais frequência do que antes, com metade dizendo que a lêem a Bíblia diariamente e um quarto “várias vezes ao dia”.

Mais de um quarto (27%) das pessoas de 25 a 34 anos e cerca de um terço (32%) das pessoas de 35 a 44 anos relataram consultar a Bíblia várias vezes ao dia. Mais da metade (59%) disse que agora assistia a mais vídeos relacionados à Bíblia ou tinha começado a assisti-los.

“É encorajador ver que a Bíblia está dando esperança e confiança às pessoas”, disse o Dr. Andrew Ollerton, ao The Christian Today. O pesquisador, é autor do Curso Bíblico online da Sociedade Bíblica.

“A Bíblia tem a capacidade de enfrentar nossas circunstâncias como algo sólido, um ponto de referência em tempos de incerteza. É como ter se sentido perdido e ter uma rocha para se apoiar. Conclui, Ollerton.