Cristãos vão às ruas para protestar contra o golpe militar de Mianmar

Depois do golpe militar, é hora de gritar pelos cristãos de Mianmar

cristãos protestam contra o golpe militar em Mianmar
Cristãos e budistas protestam contra o golpe militar em Mianmar. Foto – Divulgação

O povo de Mianmar, independente de sua religião, mlhares de cristãos saíram às ruas ao lado de seus vizinhos budistas para protestar contra o golpe militar. Em toda a nação do sudeste asiático, os protestos contra o golpe de Estado, estão se intensificando.

Em 9 de fevereiro, milhares de pessoas saíram às ruas em Nay Pyi Taw, Yangun, Mandalay e outras cidades, desafiando a proibição de grandes aglomerações. Na capital Nay Pyi Taw, a polícia usou canhões de água, gás lacrimogêneo e munições verdadeiras.

Em meio ao desligamento de telefones e internet em todo o país, algumas igrejas que se reuniram online devido à pandemia não conseguiram se conectar ao culto no último fim de semana, o primeiro domingo.

Publicidade

Leia também:

Desde o golpe no país do sudeste asiático, antes conhecido como Birmânia, centenas de cristãos deslocados foram fisicamente bloqueados de suas cidades devido a restrições de viagem e bloqueios de estradas.

Os ministérios estão lutando para se adaptar para que possam continuar encorajando uns aos outros e garantir que os esforços de evangelismo não diminuam durante outro capítulo sombrio da história de seu país.

Em meio ao desligamento de telefones e internet em todo o país, algumas igrejas que se reuniram online devido à pandemia não conseguiram se conectar ao culto no último fim de semana.

“Nossos amigos e parentes estão inacessíveis, mas eles não terão sucesso em suprimir nossas vozes”, disse Michael Koko Maung, que lidera uma rede nacional de plantadores de igrejas.

“No terreno, nossos irmãos e irmãs [crentes] continuarão seu movimento civil pacífico, o bater de potes e frigideiras, passeatas pacíficas em massa e os gritos de condenação aos militares. No exterior, vamos deixar o mundo saber que estamos contra-atacando”.

A aquisição exagera as vulnerabilidades existentes para a minoria cristã de Mianmar, de acordo com o Open Doors. No passado, o governo militar manteve a cultura e tradição budista ao ponto de as igrejas ficarem sujeitas a restrições, disse um pastor local ao ministério.

Os evangélicos e cristãos que representam quase 5% da população do país são sua maior minoria religiosa. Apesar do risco de retribuição, algumas instituições cristãs e pastores individuais se manifestaram.

A Aliança Cristã Evangélica de Mianmar, um grupo cristão independente em Mandalay, a segunda maior cidade do país, emitiu recentemente declarações condenando o golpe.

“Os líderes da igreja são os que mais têm a perder. Se suas denominações podem ser alvos de prisão prisão domiciliar. Os militares podem usar a força letal como fizeram no passado e nas memórias de muitos ex-líderes ”, disse Ellis Craft, diretor de ministério do Sudeste Asiático.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: