Cristãos perdem recurso contra sentença de prisão no Irã

Os três cristãos iranianos esperam ser chamados à prisão para começar a cumprir suas sentenças em breve.

Cristãos, da esquerda, Sam Khosravi, Habib Heydari e Sasan Khosravi esperam ser intimados à prisão em breve para iniciar suas sentenças
Da esquerda, os cristãos Sam Khosravi, Habib Heydari e Sasan Khosravi esperam ser intimados à prisão em breve para iniciar suas sentenças. Crédito da imagem: Artigo 18

No último dia 27 de janeiro, três cristãos perderam o recurso contra uma sentença de prisão no Irã. O cristão Sam Khosravi, que junto com sua esposa Maryam luta pela custódia de sua filha adotiva, está entre os três.

O juiz Hedayat Rahavi decidiu que, com base nas evidências contra Sam, seu irmão Sasan Khosravi e Habib Heydari da audiência inicial, que “eles são culpados de organização de igrejas domésticas e promoção do cristianismo, que são exemplos claros de propaganda contra o estado”.

Sam e Sasan, suas esposas Maryam e Marjan Falahi (que são irmãs), Habib Heydari, Pooriya Peyma e sua esposa Fatemeh Talebi foram presos em suas casas na cidade de Bushehr, sudoeste, em julho de 2019, em uma operação coordenada realizada por agentes do Ministério da Inteligência.

Leia também:

Em junho de 2020, as mulheres foram multadas e os homens receberam penas de prisão de um ano para Habib, Sam e Sasan e 91 dias para Pooriya. Apenas Habib, Sam e Sasan apelaram de suas condenações.

Os três cristãos esperam ser chamados à prisão para começar a cumprir suas sentenças em breve. Quando forem liberados, Sam e Sasan também enfrentarão mais dois anos de exílio interno e a proibição de trabalhar em sua profissão, o setor de hospitalidade, enquanto estiverem exilados.

Maryam Falahi e Sam Khosravi continuam a batalha pela custódia de sua filha Lydia, que foi devolvida a um orfanato pelos tribunais
O casal cristão, Maryam Falahi e Sam Khosravi continuam a batalha pela custódia de sua filha Lydia. Crédito da imagem: Artigo 18

Enquanto isso, o casal cristão Sam e Maryam, continuam sua batalha pela custódia de sua filha Lydia, adotada em um orfanato quando era um bebê de três meses em fevereiro de 2019.

Lydia, que tem problemas crônicos de saúde, foi devolvida ao orfanato depois que um tribunal de apelação confirmou em setembro de 2020 uma decisão anterior de que ela deveria ser retirada de seus cuidados por serem cristãos.

O juiz introduziu a sharia (lei islâmica) para determinar que, embora os pais de Lydia e, portanto, a religião de seus pais não sejam conhecidos, ela é considerada muçulmana e deve ser cuidada por pais muçulmanos.

Os outros cristãos envolvidos no caso também têm filhos pequenos. Sasan tem um filho de quatro anos e uma filha de cinco meses, Pooriya tem um filho de cinco meses e a esposa de Habib está grávida.

Embora o Irã negue que qualquer pessoa seja perseguida por sua fé, esta decisão recente  mostra que o cristianismo é uma ação contra o estado. Nas últimas semanas, a inteligência iraniana também interrogou cerca de uma dúzia de outros convertidos cristãos.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: