Três cristãos são presos sob à nova lei anti-conversão, na Índia

Os cristãos presos foram acusados ​​de tentativas de conversão fraudulentas durante a distribuição de alimentos

Três cristãos são presos sob à no lei anti-conversão, na Índia
Cristãos são presos sob à no lei anti-conversão, na Índia. Foto – Divulgação

Pelo menos três cristãos foram presos no distrito de Azamgarh, em Uttar Pradesh, sob a nova lei “anticonversão” do estado Índia. O ônus de provar que a conversão não foi feita à força recairá sobre a pessoa acusada do ato e o convertido, diz a lei.

Sob uma nova lei de “anti-conversão” que entrou em vigor no estado de Uttar Pradesh, Índia, em 28 de novembro, a polícia prendeu Mi Kyung Lee, de Seul, Coreia do Sul, 50 anos, e os três outros em 19 de dezembro em Greater Noida, Distrito de Gautam Buddh Nagar, disse o organizador da ajuda, Raj Kumar Masih.

Os cristãos presos foram acusados ​​de tentativas de conversão fraudulentas durante a distribuição de alimentos e outras ajudas a pessoas necessitadas devido ao bloqueio do COVID-19, disseram as fontes.

Publicidade

Leia também:

Masih organizou ajuda humanitária a milhares de pessoas desde a obtenção da permissão do Magistrado Distrital Adicional em 23 de março, estabelecendo centros de distribuição em várias áreas e em sua igreja, disse ele. Entre os beneficiários estavam Anita Sharma e Muksi Gupta.

Como Gupta sabia quem precisava de ajuda em sua vizinhança, Masih enviou dois cidadãos indianos e seu motorista para sua casa para preparar uma lista de pessoas que receberiam ajuda, com Lee acompanhando-os quando ela precisava de uma carona para chegar a outro local, disse Masih.

O vizinho de Gupta, Sharma, viu as quatro pessoas saindo da casa de Gupta e relatou à polícia que eles já haviam oferecido dinheiro para ela e Gupta se converterem ao cristianismo, disse Masih. No entanto, Masih negou que eles tenham oferecido dinheiro a alguém para se converter.

“Temos provas de nossa distribuição e nomes e números de telefone de nossos beneficiários, que podem testemunhar que não pedimos a nenhum deles para mudar de fé ou religião”, disse Masih ao Morning Star News. “Todos os beneficiários receberam kits de alimentação, mas nenhum recebeu qualquer promessa de dinheiro.”

Em sua queixa policial, Sharma alegou que os quatro abordaram ela e Gupta durante o confinamento e os convidaram para ir a uma igreja de Malakpur para receber as rações gratuitas oferecidas devido à pandemia. Depois disso, alegou Sharma, as quatro pessoas começaram a visitar suas casas aos sábados e domingos, prometendo dinheiro se se convertessem.

Nova lei anticonversão

O decreto prevê principalmente que nenhuma pessoa deve se converter, seja direta ou indiretamente de uma religião para outra pelo uso ou prática de deturpação, força, influência indevida, coerção, aliciamento ou por qualquer meio fraudulento ou por casamento, nem qualquer pessoa deve incitar, convencer ou conspirar tal conversão.

As conversões fraudulentas de duas ou mais pessoas são puníveis com três a 10 anos de prisão e uma multa de 50.000 rúpias (US $ 684) ou mais. A conversão fraudulenta de um menor, mulher ou pessoa pertencente a uma casta ou tribo oficial é punível com dois a 10 anos de prisão e multa de 25.000 rúpias (US $ 342) ou mais.

Qualquer outra conversão fraudulenta acarreta pena de prisão de um a cinco anos e multa de 15.000 rúpias (US $ 205) ou mais. De acordo com a lei, cada condenação repetida acarretará o dobro da pena especificada para o respectivo crime. Todas as ofensas previstas na lei são inafiançáveis.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: