Radicais islâmicos colocam cabeça de cristão à prêmio no Paquistão

Cartazes oferecendo uma recompensa para matar um cristão paquistanês exilado, acusado de blasfêmia são exibidos em Karachi, no sul do Paquistão.

Radicais islâmicos colocam cabeça de cristão à prêmio no Paquistão
Cartazes oferecendo uma recompensa para matar um cristão paquistanês exilado, acusado de blasfêmia são exibidos em Karachi, no sul do Paquistão. Foto – Divulgação

Em Karachi, no sul do Paquistão, radicais islâmicos espalharam cartazes oferecendo um prêmio de 10 milhões de rúpias pela cabeça de um cristão paquistanês, por postar conteúdo anti-islã nas redes sociais.

O preço da cabeça do cristão Faraz Pervaiz, foi fixado em um prêmio de 10 milhões rúpias. A única punição por insultar o Profeta é a decapitação, afirma o pôster com a foto de Pervaiz, que mora na Tailândia. Jamaat Ahle Sunnat, uma seita Barelvi do Islã, também imprimiu seus números de contato e endereço no pôster.

Pervaiz, um ativista de direitos humanos, está usando o pôster como foto de perfil em sua conta no Twitter. No ano passado, o pai de três filhos mudou-se com a família para um local secreto fora de Bangkok depois que sua localização foi revelada em um vídeo divulgado nas redes sociais que se tornou viral.

Leia também:

Segundo à Union of Catholic Asia News (UCAN), o vídeo, feito por um refugiado muçulmano paquistanês, conclamava “todos os muçulmanos deste mundo” a viajar a Bangkok e matar Pervaiz.

Pervaiz tem recebido ameaças desde que se manifestou pelos cristãos da minoria após o ataque de 2013 à Colônia Joseph de Lahore por uma multidão que saqueou e destruiu 116 casas e duas igrejas. Ele liderou protestos exigindo ação da polícia e dirigiu um blog no qual desafiou a política e a teologia do Islã, apresentou suas próprias interpretações do Alcorão e criticou o Profeta Muhammad.

Ele fugiu do Paquistão em 2014 depois que muçulmanos radicais ficaram furiosos com caricaturas, declarações e vídeos que ele e seu pai, um líder político, postaram em vários relatos.

A primeira recompensa de US $62.000 por Pervaiz foi oferecida em 2015 pelo partido político Tahreek-e-Labbaik. Em 2016, um clérigo colocou uma recompensa por sua cabeça igual a cerca de US $124.000.

Em 2016, o cristão, em busca de asilo, relatou um ataque de quatro muçulmanos em uma mercearia. A blasfêmia é uma acusação séria no Paquistão muçulmano, profundamente conservador.

Em 4 de novembro, um segurança do Banco Nacional do Paquistão se reuniu na cidade de Quaidabad, na província de Punjab, após matar Malik Imran Hanif, seu gerente de banco, por suposta blasfêmia.