Muçulmano obriga garoto de 13 anos atear fogo em igreja, no Sudão

Uma igreja pertencente à Igreja de Cristo do Sudão (SCOC) em Tamboul, estado de Gezira, foi incendiada no dia 3 de janeiro.

Muçulmano obriga garoto de 13 anos atear fogo em igreja, no Sudão
A pequena Igreja de Cristo do Sudão, foi incendiada por menino de 13 anos. Foto – Divulgação

Uma igreja pertencente à Igreja de Cristo do Sudão (SCOC) em Tamboul, estado de Gezira, foi incendiada na semana passada. A igreja anteriomente já havia sofrido assédio de ataques por alguns muçulmanos locais.

De acordo à CSW, fontes relatam que um garoto de 13 anos ateou fogo na igreja, no último dia 3 de janeiro usando gasolina de uma motocicleta, depois que um homem muçulmano o ameaçou instruindo a fazê-lo.

A polícia abriu um processo contra o garoto três dias após o incidente, mas se recusou a acusar o adulto que teria fornecido a gasolina.

Publicidade

Leia também:

A igreja tem sofrido historicamente o assédio de alguns muçulmanos locais, bem como de autoridades sudanesas. Em várias ocasiões, os líderes da igreja foram interrogados por membros do Serviço de Inteligência Geral (GIS), mais recentemente no final de 2020, quando o ancião da igreja Ibrahim Toto Kafi foi interrogado.

O SCOC é uma denominação predominantemente nubana que sofreu discriminação religiosa e étnica. O fundador e presidente da CSW, Mervyn Thomas, condenou o ataque incendiário.

“Esta denominação enfrenta há muito tempo intenso assédio e perseguição, tanto por parte de seus concidadãos quanto pelas autoridades”, disse ele.

“Pedimos às autoridades do estado de Gezira que tomem medidas rápidas para garantir que todos os que participaram da destruição da igreja sejam responsabilizados e priorizem a proteção de grupos religiosos vulneráveis”.

Enquanto isso, o diretor do Centro Nacional de Currículos e Pesquisa Educacional do Sudão, Dr. Omar El Garai, anunciou sua renúncia. Isso ocorre depois que o primeiro-ministro Abdallah Hamdok instruiu o centro a interromper o desenvolvimento de novos currículos escolares.

Em uma primeira vez para o país, nos novos currículos planejados todas as religiões eram tratadas igualmente; no entanto, o primeiro-ministro tomou a decisão de encerrá-la após intensa oposição de islâmicos, que viram o Dr. El Garai receber ameaças de morte.

É decepcionante ver o governo sudanês se esquivar de medidas que realmente ajudem a construir um Sudão inclusivo. Lamentou, Mervyn Thomas.

“Pedimos às autoridades que não sejam intimidadas por vozes extremistas, mas sim que continuem no caminho da reforma e da democracia que promova uma nação na qual todos os cidadãos sudaneses sejam tratados com igualdade, independentemente de sua religião ou crença.” Disse, Mervyn Thomas.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: