Homem mata colega de quarto enquanto ele orava em hospital, nos EUA

"O suspeito ficou chateado quando a vítima começou a orar. Ele então atingiu a vítima com um tanque de oxigênio", disse a policia local.

Homem mata colega de quarto enquanto ele orava em hospital, nos EUA
Homem é acusado de matar colega de quarto no Antelope Valley Hospital, nos EUA. Foto – Divulgação

Um homem hispânico não identificado, de 82 anos, e Jesse Martinez, de 37 anos, estavam internados no Valley Hospital in Lancaster California, nos EUA. Ambos, estavam internados devido à infecção pelo coronavírus.

Segundo informações da KABC News, o homem teria ficado incomodado com o colega de quarto quando ele começou a orar, disse o Departamento de Homicídios do Departamento de Polícia do Condado de Los Angeles, e então, o atingiu com um tanque de oxigênio durante a oração.

“O suspeito ficou chateado quando a vítima começou a orar. Ele então atingiu a vítima com um tanque de oxigênio”, disse a policia local.

O ataque aconteceu dentro do quarto na quinta-feira (17), aproximadamente às 9h45 no horário local. A vítima acabou não resistindo aos ferimentos e foi declarado o óbito no dia seguinte, aproximadamente às 10h20 – pouco mais de 24 horas após o ocorrido.

A vítima e o suspeito não se conheciam pessoalmente antes de serem admitidos no hospital, disse a polícia. O nome da vítima não foi divulgado pelas autoridades.

Martinez foi preso imediatamente. Ele já enfrenta acusações de assassinato, uma incitação ao crime de ódio e abuso de ancião ou dependente, resultando em morte. Martinez pode pegar até 28 anos de prisão estadual se for condenado como acusado.

Os especialistas disseram à KABC News, que o hospital não poderia fazer muito para evitar que o crime acontecesse. Isso ocorre porque a equipe do hospital é “limitada” e também porque a equipe e a segurança são impedidas de entrar rapidamente no quarto dos pacientes para responder, devido as normas de biossegurança implementadas durante a pandemia.

O prefeito de Lancaster, R. Rex Parris, em um comunicado, disse que ficou “chocado e triste” com a notícia do incidente. “Essas famílias já estavam passando por dificuldades e agora isso – não faz sentido”, disse ele.

Não é a primeira vez que um crime de ódio acontece desde o início da pandemia. As Nações Unidas, em um documento, disseram que “infelizmente, a pandemia também deu origem a uma nova onda de discurso de ódio e discriminação”.

A empresa de segurança doméstica SafeWise observou que, de acordo com os registros do Departamento de Polícia de Los Angeles, enquanto os crimes geralmente diminuíam, ano a ano, desde o iníco da pandemia, o número de casos de homicídio relatados aumentou quase 25% em comparação com o ano anterior.

Mais recentemente, foram registrados, na região do ocorrido, 25 casos de homicídio entre 15 de novembro e 12 de dezembro – um aumento de 38,1% em comparação com os 21 homicídios registrados entre 18 de outubro e 14 de novembro de 2020.