Egito inocenta muçulmanos que arrastou idosa cristã nua pelas ruas

A cristã Suad Thabet foi despida e arrastada nua pelas ruas do vilarejo de al-Karm em 2016, no Egito

A cristã Suad Thabet foi despida e arrastada nua em 2016, no Egito
A cristã Suad Thabet foi despida e arrastada nua em 2016, no Egito. Foto – Divulgação

A promotora pública, Hamada al-Sawy, está contestando a decisão de um Tibunal no Egito, que inoncetou três muçulmanos acusados ​​de despir uma idosa cristã e arrastá-la pelas ruas do vilarejo de al-Karm na província de Minya, 250 quilômetros ao sul do Cairo.

Suad Thabet, que está na casa dos 70 anos, e seu marido, Abdu Ayad, foram atacados por uma multidão de 300 homens em maio de 2016, após um boato de que seu filho estava tendo um caso com uma mulher muçulmana. A casa do casal de idosos e as casas de seis outros cristãos foram saqueadas e cinco foram incendiadas pela turba.

“Como eles podem ser absolvidos”, gritou Suad Thabet, após a decisão do tribunal em 18 de dezembro. “O presidente al-Sisi, me prometeu justiça, e o tribunal diz que meus agressores são inocentes! Sinto que ainda estou nua.” Protestou, Suad Thabet.

Publicidade

“De qualquer forma, se não posso obter justiça na terra, espero a justiça do Céu.” Disse, a idosa cristã no julgamento.

Leia também:

O ataque chocou e indignou os egípcios e trouxe um pedido de desculpas do presidente Abdel Fattah al-Sisi, que ordenou que todas as casas dos cristãos fossem reparadas.

Os promotores inicialmente retiraram o caso contra os três homens acusados ​​do ataque, Nazeer Ishaq Ahmed, marido da mulher muçulmana supostamente envolvida no caso, e seu pai e irmão, citando evidências insuficientes. A reclamação foi contestada pelo advogado de Suad Thabet, que disse que as testemunhas mudaram suas declarações por causa das ameaças contra elas.

Os três homens foram condenados a dez anos à revelia em janeiro de 2020. Seu recurso contra a decisão foi concedido depois que várias testemunhas voltaram em seu depoimento contra o acusado.

Os cristãos representam cerca de 10% da população egípcia. O incidente contra Suad Thabet foi um dos piores ataques a mulheres cristãs egípcias, mas é comum que mulheres cristãs vulneráveis ​​sejam sequestradas e forçadas a se casar com um muçulmano.

A organização cristã Barnabas Fund, com sede no Reino Unido, ajuda a capacitar mulheres cristãs vulneráveis, oferecendo-lhes treinamento e apoio para iniciar um pequeno negócio, bem como programas de alfabetização e matemática, habilidades vocacionais e estudos bíblicos.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: