Cristã nigeriana mantida refém pelo Boko Haram, conta história de fé

Pela graça especial de Deus, todos nós permanecemos na fé, Amina contou. Para nós, viver é Cristo e morrer é lucro, disse, a cristã nigeriana

Cristã nigeriana mantida refém pelo Boko Haram, conta história de fé
A cristã Amina, foi mantida refém pelo Boko Haram na Nigéria. Foto – Divulgação

Uma mulher cristã nigeriana cuja família foi brutalmente atacada pelo Boko Haram e mais tarde mantida como refém em cativeiro pelos terroristas, conta como ela manteve sua fé forte durante tudo isso.

Na noite de 2 de outubro de 2012, um grupo de 20 terroristas do Boko Haram, invadiu a casa da cristã *Amina, em Maiduguri, estado de Borno. Depois de invadir a casa com todos os seus pertences, os extremistas islâmicos tentaram forçar seu marido e filhos a negar a Cristo.

“Mas eles se recusaram”, disse ela. “Os terroristas então os amarraram pelas costas, cobriram seus rostos e mandaram meu marido e meus filhos se deitarem no chão. Depois, começaram a massacrá-los um por um.

Leia também:

Mais de 340 milhões de cristãos foram perseguidos em 2020

“Meu marido morreu imediatamente, mas dois de meus filhos foram levados às pressas para o hospital e suas vidas foram salvas pela graça de Deus após a cirurgia. Eles sobreviveram, embora hoje ainda tenham que voltar para os exames.”

Depois de uma experiência tão traumática, Amina (foto acima) voltou a ter contato com o radical cinco anos depois.

Em junho de 2017, ela disse que estava em um ônibus que foi atacado pelo Boko Haram.

“Eles abriram fogo contra o ônibus e éramos 16 dentro; cinco homens e onze mulheres. Eles mataram todos os homens imediatamente e levaram as mulheres para uma floresta onde ficamos presos por oito meses. Todos nós sofremos de traumas, medo e ansiedade. ”

Forçada a renunciar sua fé

Ela disse que os radicais pregariam suas ideologias aos reféns, tentando convencê-los a renunciar à fé cristã. Mas Amina disse que ela e outros recusaram. Eles oraram e cantaram secretamente a Deus. Às vezes, os soldados descobriam e ameaçavam matá-los, mas ela disse que ainda persistiam.

“Pela graça especial de Deus, todos nós permanecemos na fé”, Amina contou. “Para nós, viver é Cristo e morrer é lucro. Sempre oramos e cantamos a Deus porque preferíamos morrer a nos tornarmos muçulmanos. Mas não foi fácil.”

Depois de ser libertada do cativeiro, Amina participou de um programa de cura de traumas através do Portas Abertas. “Depois do programa, tive paz para minha família e para mim”, disse ela. “Agradeço a Deus pelo incentivo que me deram naquela época”.

A história angustiante de Amina é semelhante a milhares de pessoas que vivem na Nigéria, especialmente no nordeste do país.

De acordo com a organização de caridade de perseguição, Portas Abertas, os assassinatos de cristãos na Nigéria durante 2020 triplicaram para 3.800. Em média, dez cristãos froam mortos todos os dias na Nigéria.

Em ataques violentos por Boko Haram, pastores militantes muçulmanos Hausa-Fulani, ISWAP (uma afiliada do ISIS) e outros grupos extremistas islâmicos, os cristãos são frequentemente assassinados ou têm suas propriedades e meios de subsistência destruídos.

Homens e meninos são particularmente vulneráveis ​​à morte. Enquanto isso, mulheres cristãs são freqüentemente raptadas e estupradas por esses grupos militantes e às vezes forçadas a se casar com muçulmanos. O Portas Abertas disse que os perpetradores raramente são levados à justiça.

O CEO da Portas Abertas do Reino Unido e Irlanda disse que: “Está claro que os militantes do Boko Haram e Fulani aproveitaram o bloqueio para aumentar seus ataques aos cristãos. E as forças de segurança estavam olhando para o outro lado porque estavam tentando impor o bloqueio, então o os ataques aumentaram exponencialmente. ”

O país da África Ocidental está em nono lugar na Lista do Portas Abertas, que é uma lista anual dos países ao redor do mundo onde os cristãos enfrentam a mais extrema perseguição e discriminação.