O mundo está ignorando o genocídio de cristãos na Nigéria?

O genocídio de cristãos na Nigéria: “Já vi muito mais funerais do que cerimônias de casamento”

Ataque atribuído ao Boko Haram deixa ao menos 110 mortos na Nigéria.
Ataque atribuído ao Boko Haram deixa ao menos 110 mortos na Nigéria. Foto – Divulgação

A perseguição aos cristãos aumentou em partes do mundo. Para os cristãos que vivem no Cinturão Norte e Médio da Nigéria, a perseguição é abundante e implacável, e a própria vida é precária.

Certo, é um pouco desafiador aprender sobre os problemas da Nigéria porque temos que pesquisar relatórios. Infelizmente, eles só aparecem aleatoriamente em sites cristãos. Mas é cada vez mais evidente que, a cada semana que passa, a violência e o terror na Nigéria se intensificam.

Na verdade, neste exato momento, outro genocídio contra os cristãos está ocorrendo silenciosamente na Nigéria.

Se você ler os relatórios, verá frequentemente as fotos que os acompanham. Eles podem ter sido tirados dias atrás, talvez na semana passada ou mesmo no ano passado, mas a cena é assustadoramente a mesma. Uma vila pobre com alguns prédios pequenos é cercada por campos abertos.

No primeiro plano, há uma pilha de destroços queimados. Cerca de uma dúzia de africanos estão olhando para os indescritíveis restos mortais, com um ou dois se virando para a câmera, com expressões confusas no rosto.

E a história também é quase sempre a mesma: jihadis fortemente armados aparecem de repente na calada da noite. Eles atacam casa após casa, arrombando portas e gritando Allahu akbar . Eles atiraram em homens idosos e saudáveis. Estupram, mutilam e mulheres. Eles sequestram meninos e meninas. Eles incendiam casas, escolas e igrejas.

Alguns moradores conseguiram fugir para o mato e não foram vistos desde então, então ninguém pode dizer com certeza quem ainda está vivo. Os rostos dos sobreviventes refletem a agonia de tentar se lembrar exatamente do que aconteceu, exatamente quando os gritos e tiros começaram, e como eles conseguiram escapar com vida.

Resumindo, há um banho de sangue na Nigéria. Aqueles de nós que monitoram as violações da liberdade religiosa e a perseguição cristã concordam com aqueles que falam cada vez mais de outro genocídio.

Incidentes assassinos são encenados com freqüência cada vez maior, perpetrados principalmente por dois grupos terroristas – Boko Haram e jihadistas Fulani. Dezenas de milhares de nigerianos foram massacrados na última década. Mas suas histórias raramente aparecem nas principais notícias do Ocidente.

ICON – Comitê Internacional da Nigéria – é um grupo de pesquisa que faz relatórios sobre terrorismo na Nigéria. De acordo com o ICON, o Boko Haram foi responsável por quase 35.000 mortes lá entre 2015 e 2020. Enquanto isso, os jihadistas Fulani teriam assassinado cerca de 17.000 entre 2010 e 2020.

Infelizmente, ninguém sabe realmente os números exatos graças às queimadas em massa, consequências caóticas, desaparecimentos e deslocamento da população. Ainda assim, os números são apavorantes, não importa o quão inevitavelmente imperfeito o registro seja.

Para piorar ainda mais as coisas, agora COVID-19 também chegou à Nigéria com seus próprios riscos mortais, e os temores da população se multiplicaram. No momento em que este livro foi escrito, os Worldômetros registraram 493 casos e 17 mortes – números que estão prestes a aumentar exponencialmente.

Enquanto isso, em meio a ordens de bloqueio em pânico, a rede de televisão britância, BBC relata que as forças de segurança ceifaram mais vidas do que a pandemia.

Ataques cruéis contra cristãos

Por causa dessas múltiplas ameaças mortais, o desespero assombra as comunidades cristãs da Nigéria, apesar de sua profunda fé e compromisso. Existem razões mais do que suficientes para sua incerteza, como mostram estes exemplos:

Em 16 de abril, o Morningstar News informou: “Seis crianças e uma mulher grávida estavam entre as nove pessoas que pastores muçulmanos Fulani mataram no centro-norte da Nigéria na noite de terça-feira (14 de abril).

Dias antes, em 24 de março, Fulanis matou pelo menos 20 pessoas em duas aldeias cristãs. E em 2 de março eles sequestraram oito cristãos em ataques a uma estação missionária. Nesse ataque, 3.000 foram deslocados.

Em 30 de janeiro de 2020, a Christian Solidarity International (CSI) emitiu um alerta de genocídio para a Nigéria. “As condições para o genocídio existem na Nigéria, com cristãos, muçulmanos não violentos e adeptos de religiões tribais sendo particularmente vulneráveis”, anunciou John Eibner do CSI.

“Os ataques cada vez mais violentos e o fracasso do governo nigeriano em evitá-los e punir os perpetradores são alarmantes. CSI, portanto, apela aos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU para tomar medidas rápidas para defender este compromisso com a prevenção do genocídio na Nigéria.”

Nina Shea, diretora do Centro para Liberdade Religiosa do Instituto Hudson, também está profundamente preocupada com a Nigéria. “Mais cristãos foram alvejados e massacrados por extremistas na Nigéria”, relatou ela, do que em todo o Oriente Médio nos últimos anos.

“Essas comunidades cristãs vulneráveis, que estão sendo atacadas em duas frentes por terroristas islâmicos e jihadistas, precisam de ajuda”, obsrva.

“O futuro da Nigéria é sombrio para os cristãos”, disse Benjamin Kwashi, o arcebispo anglicano de Jos. “Já vi muito mais funerais do que cerimônias de casamento”.

Ele acusou o governo nigeriano de abandonar sua responsabilidade de manter a segurança e proteger os vulneráveis. Ele acrescentou: “Um bom número dos mortos são crianças e mulheres, os desamparados, pessoas que dependem da proteção do governo”.

O Arcebispo Kwashi disse: “Isso é sistemático; é planejado; é calculado.” Ele reclamou que “o mundo não quer ouvir isso, incluindo o governo nigeriano”.

“Toda vez que tivemos que levantar nossa voz para dizer que isso estava acontecendo [funcionários do governo e defensores dos direitos humanos] sempre produzimos uma narrativa política. “Essa é uma narrativa maligna para encobrir”, acusou ele.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: