Fechamento da fronteira na Coreia do Norte, impede atividades missionárias

Organizações cristãs suspenderam as atividades de envios de Bíblias para Coreia do Norte

Fechamento da fronteira na Coreia do Norte, impede atividades missionárias
O fechamento da fronteira na Coreia do Norte, dificulta atividades missionárias. Foto – Divulgação

Depois que a Coreia do Norte fechou sua fronteira com a China para evitar que a COVID-19 entrasse no país desde o início deste ano, as organizações cristãs suspenderam as atividades missionárias de envios de Bíblias para o Norte.

Segundo um líder de um grupo missionário que trabalhava na Coreia do Norte, e pediu para permanecer anônimo compartilhou que “as atividades de envio de Bíblias, livros religiosos e arroz para a Coreia do Norte não estão indo bem desde que a fronteira foi fechada por causa da COVID -19.”

Ele acrescentou que antes eles usavam pessoas ou contrabando para enviar Bíblias ao Norte, mas “esses canais agora estão completamente bloqueados”. Disse o missionário, segundo informações da Internationa Christian Concern (ICC).

Devido ao fechamento, a Nehemiah Global Initiative (NGI), que enviou arroz e Bíblias para a Coreia do Norte como parte de seu “Projeto da Rota do Mar”, voltou seu foco para ajudar jovens desertores norte-coreanos a se estabelecerem na Coreia do Sul e ensiná-los inglês.

Em resposta à situação, NGI também está usando telefonema ou texto para compartilhar o Evangelho como alternativa. A organização relata que, “a atividade missionária individual de pregar a Bíblia por telefone aumentou desde o início da pandemia COVID-19”, disse o chefe do grupo missionário.

A boa notícia é que o desejo dos norte-coreanos de aprender sobre o “Evangelho” parece crescer à medida que o país enfrenta dificuldades financeiras e seu acesso ao mundo exterior é negado devido à pandemia. Os norte-coreanos estão mais receptivos ao Evangelho do que antes, e há até casos recentes de norte-coreanos pedindo Bíblias, disse o chefe do grupo missionário.

Ele acrescentou que, ultimamente, os norte-coreanos costumam dizer coisas como: “A situação é difícil, mas obrigado por não me deixar morrer de fome” e “Sou grato por poder orar”.

“Para os norte-coreanos, que não sabem sobre Deus ou religião, usar palavras como ‘obrigado’ e ‘orar’ é excepcional”, observou ele.

Aqueles que aceitaram a Cristo estão formando grupos de oração secretos com membros da família a quem podem confiar. Em um país onde a fé cristã pode significar a morte, o compromisso desses novos crentes com sua fé é encorajador e inspirador.