EUA coloca Nigéria à lista negra de violações da liberdade religiosa

Os EUA incluíram a Nigéria em uma lista negra de países que violam a liberdade religiosa de forma sistemática, abrindo caminho para possíveis sanções no futuro.

EUA coloca Nigéria à lista negra de violações da liberdade religiosa
Funeral de 43 trabalhadores agrícolas em Zabarmari, a cerca de 20 km de Maiduguri, Nigéria, em 29 de novembro de 2020.

Na segunda-feira, os Estados Unidos colocaram a Nigéria pela primeira vez em uma lista negra de liberdade religiosa, pressionando um aliado enquanto grupos cristãos expressam crescente insegurança.

O Secretário de Estado Mike Pompeo designou a Nigéria como um “País de Preocupação Particular” para a liberdade religiosa, a rara inclusão de um companheiro democrático no esforço dos Estados Unidos de envergonhar as nações para a ação.

“Essas designações anuais mostram que, quando a liberdade religiosa for atacada, nós agiremos”, escreveu Pompeo, um cristão evangélico, no Twitter.

A Nigéria mantém um equilíbrio delicado entre muçulmanos e cristãos, mas grupos religiosos expressaram suas crescentes preocupações aos Estados Unidos.

A lei dos EUA exige designações para nações que praticam ou toleram “violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa”.

Os países na lista negra incluem Arábia Saudita e Paquistão, que têm alianças históricas, embora complicadas, com os Estados Unidos, bem como China e Irã, arquirrivais do governo do presidente Donald Trump.

As outras nações da lista são Eritreia, Mianmar, Coreia do Norte, Tajiquistão e mais alguns. Pompeo notavelmente não teve como alvo a Índia, um parceiro cada vez mais próximo dos Estados Unidos.

A Índia expressou indignação no início deste ano quando a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional, que fornece recomendações ao Departamento de Estado, pediu a inclusão da Índia na lista negra por causa do que ela disse ter sido uma queda acentuada no governo do primeiro-ministro Narendra Modi , um nacionalista hindu.

O Sudão, que está se transformando depois de décadas de ditadura, saiu da lista negra no ano passado, e Pompeo na segunda-feira tirou o país de uma lista de segundo escalão junto com o Uzbequistão.

De acordo com a lei dos EUA, os países na lista negra devem fazer melhorias ou enfrentar sanções, incluindo perdas de assistência dos EUA, embora o governo possa dispensar medidas.

Teme que a violência na Nigéria piore

O Departamento de Estado não explicou imediatamente por que designou a Nigéria, mas, em seu relatório anual no início deste ano, tomou nota das preocupações nos níveis federal e estadual.

Ele apontou para a detenção em massa de membros do Movimento Islâmico na Nigéria, um grupo muçulmano xiita que foi proibido no ano passado por alegações de terrorismo.

O exército nigeriano matou cerca de 350 xiitas, muitos deles mortos a tiros ou queimados vivos, em um confronto de 2015, de acordo com grupos de direitos humanos.

O movimento se inspirou no Irã, normalmente um dos principais alvos de Trump. Mas a Igreja Católica criticou a proibição do grupo, temendo que abrisse um precedente perigoso para todas as religiões.

O relatório do Departamento de Estado também destacou as prisões de muçulmanos por comerem em público no estado de Kano durante o Ramadã, quando os muçulmanos deveriam jejuar durante o dia, e novos regulamentos sobre a pregação no estado de Kaduna.

A Nigéria é a base do Boko Haram, os extremistas islâmicos cuja insurgência de 11 anos matou mais de 36.000 pessoas e se espalhou para os países vizinhos.

Mas a Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos, em uma carta a Pompeo, disse que muito mais nigerianos estão sendo mortos em conflitos entre pastores e fazendeiros, nos quais os cristãos têm suportado o peso conforme a mudança climática piora a desertificação.

Grupos cristãos também acusaram o presidente Muhammadu Buhari de não prestar atenção suficiente depois que jihadistas sequestraram e mataram um pastor, Lawan Andimi.

O Comitê Internacional da Nigéria, um grupo de defesa, instou os Estados Unidos a nomear um enviado especial, chamando a resposta do governo de Buhari à violência de “fraca” e expressando temor de que ela piore.

A liberdade religiosa tem sido uma questão central para Pompeo e Trump, que contam com forte apoio cristão evangélico e muitas vezes minimizam outras preocupações de direitos humanos entre os aliados.

Em um esforço bipartidário com a saída de Trump, a Câmara dos Representantes aprovou de forma esmagadora uma resolução na segunda-feira que pede aos Estados Unidos que dêem prioridade à revogação das leis de blasfêmia em todo o mundo.

A resolução observou que mais de 70 países tinham leis de blasfêmia nos livros e expressou alarme sobre o Paquistão, onde as minorias têm sido freqüentemente visadas, bem como sobre ataques a escritores secularistas em Bangladesh.

A Câmara também aprovou por unanimidade uma resolução pedindo o fim da “perseguição patrocinada pelo Estado” do Irã à comunidade Baha’i e pediu a libertação imediata dos membros da religião detidos.