Cristãos na Nigéria ‘temem ser atacados no Natal’

Com o Natal chegando, os cristãos em toda a Nigéria estão com medo e temem ser atacados perto do Natal porque, diz um cristão nigeriano.

Cristãos na Nigéria temem ser atacados no Natal
A cristã Kwate ficou viúva por um ataque à sua aldeia no norte da Nigéria e está sendo ajudada pela Portas Abertas. (Foto: Portas abertas)

Todos os nigerianos vivem com medo de ataques e sequestros. Mas para os cristãos na Nigéria, que sempre são atacados por radicais islâmicos, o Natal é uma época especialmente ansiosa.

E há um bom motivo para estarmos ansiosos depois que um novo relatório de uma ONG disse que pelo menos 2.200 cristãos foram mortos em 2020 apenas por pastores Fulani radicalizados e pelo grupo terrorista Boko Haram.

+ Mais de 2.200 cristãos foram mortos em 2020, na Nigéria

Em outra indicação de como a Nigéria se tornou insegura, mais de 330 meninos foram sequestrados na semana passada de sua escola no estado de Katsina.

Centenas foram libertadas alguns dias depois, mas é uma “lembrança trágica” de sequestros em massa anteriores, diz Djadi, como as 276 alunas em sua maioria cristãs levadas de Chibok em 2014 e outras 110 em Dapchi em 2018.

Das colegiais Chibok, mais de cem permanecem em cativeiro, enquanto todas as garotas Dapchi, exceto uma, foram libertadas. Leah Sharibu, que tinha apenas 14 anos quando foi levada, continua em cativeiro porque se recusa a renunciar à sua fé cristã.

Djadi, analista sênior do Portas Abertas sobre liberdade religiosa na África Subsaariana, disse que a falta de segurança é o maior desafio que a Nigéria enfrenta hoje. “As pessoas não estão mais seguras na Nigéria”, disse ele.

“Se você viaja, está arriscando sua vida.

“Pessoas em toda a Nigéria viajam com medo de serem sequestradas ou atacadas. Elas vão para a cama com medo de serem sequestradas ou atacadas. Elas vão à igreja com medo de serem sequestradas ou atacadas.”

O nordeste da Nigéria foi devastado por uma insurgência islâmica liderada por Boko Haram, mas também há violência no noroeste na forma de atividade criminosa e, no Cinturão Médio, pastores Fulani radicalizados estão atacando comunidades cristãs .

“Agora a violência está avançando mais para o sul.” Quando o presidente Muhammadu Buhari foi eleito em 2015, ele prometeu parar a violência e erradicar o terrorismo islâmico. Mas ele falhou, não há vontade política da liderança para acabar com isso.” Diz Djadi.

Mas Djadi também acredita que algumas pessoas, seja no governo ou nas forças armadas, estão até “se beneficiando da atmosfera sem lei na Nigéria” e, portanto, “não querem que isso pare”.

Falta de segurança

A falta de segurança e a insurgência islâmica radical se tornaram um negócio. Uma razão para isso, explica ele, é que quando os militantes sequestram pessoas, sejam crianças ou figuras importantes, eles exigem dinheiro de resgate em troca de sua libertação.

Embora a violência esteja afetando todos os nigerianos, em alguns casos os cristãos estão sendo especificamente alvos. No nordeste, eles estão sendo visados ​​porque o Boko Haram quer estabelecer um califado e a lei Sharia.

“Os cristãos são o alvo principal porque não são muçulmanos. Os radicais islâmicos querem transformá-los em muçulmanos à força e, se recusarem, irão matá-los ou transformá-los em escravos sexuais.

“Eles também atacam muçulmanos moderados que não compartilham dessa interpretação radical do Islã.

“É por esta razão também que eles atacarão as escolas porque escolas para eles são sinônimos de civilização ocidental. O próprio nome ‘Boko Haram‘ significa ‘a educação ocidental é proibida’ – e ‘Ocidental’ para eles significa simplesmente ‘Cristão’.

“Portanto, a escola também é proibida e se você for para a escola, será um alvo claro.”

No centro da Nigéria, pastores Fulani estão atacando comunidades, igrejas e casas cristãs. Alguns analistas querem enquadrar a violência simplesmente como um conflito entre pastores muçulmanos e agricultores cristãos, mas Djadi diz que isso é “simplista”.

“Os militantes Fulani atacam propriedades, pessoas e igrejas cristãs, mas eles deixam os prédios e mesquitas muçulmanos vizinhos intactos”, disse ele.

“Eles são muito seletivos, então há uma dimensão religiosa clara e um plano claro para atacar as comunidades cristãs no Cinturão Médio.”

Temem ser atacados no Natal

Com o Natal chegando, Djadi diz que os cristãos em toda a Nigéria estão com medo. “Os cristãos até esperam e temem ser atacados perto do Natal porque também se trata de comunicação”, diz ele.

“Esses terroristas são bem organizados e a comunicação é importante para eles. Eles sequestraram os alunos do estado de Katsina, o próprio estado natal do presidente Buhari, enquanto ele estava lá visitando.

“Eles fizeram isso para enviar uma mensagem forte a todos os nigerianos de que podem até atacar onde o próprio presidente está. “Portanto, o momento não é uma coincidência; eles escolhem o momento para atrair mais atenção.”

Com a violência não mostrando sinais de diminuir, Djadi está pedindo aos cristãos que orem pela situação de segurança na Nigéria.

Existem coisas práticas que os cristãos podem fazer, como entrar em contato com seus parlamentares para aumentar a conscientização e pressionar o governo a impor sanções direcionadas aos perpetradores da violência, bem como àqueles que se recusam a pôr fim a ela.

E Djadi está pedindo que os cristãos aqui orem pelas igrejas na Nigéria que fornecem abrigo e assistência prática a milhares de pessoas deslocadas internamente, muitas das quais vivem em complexos religiosos.

“Queremos segurança para todos na Nigéria e que a Nigéria seja um país seguro onde as pessoas possam viajar livremente e onde as crianças possam ir à escola sem medo de serem sequestradas ou mortas”, disse ele.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: