Polícia invade igreja doméstica na China, pregador e membros são presos

Igreja doméstica é invadida pela polícia na China, pregador e seis membros são presos

Igreja doméstica é invadida pela polícia na China, pregador e membros são presos
Igreja doméstica é invadida pela polícia na China, pregador e seis membros são presos

Segundo à International Christian Concern (ICC), em 15 de novembro, a polícia invadiu uma igreja doméstica em Taiyuan província de Shanxi (China), durante o culto. O pregador e mais seis outros membros foram presos.

Por volta das 9h20, uma equipe de funcionários vindos do escritório de segurança pública, escritório de assuntos étnicos e religiosos, ministério de assuntos civis e delegacia de polícia invadiram a Igreja de Xuncheng enquanto o serviço estava em andamento.

O comandante da segurança pública foi direto ao púlpito e confiscou o celular do presidente, antes de exigir que o irmão Zhang Chenghao fosse com eles.

Em seguida, o comandante solicitou que o pregador, An Yankui, se envolvesse com eles, ao que An respondeu: “Estamos no meio de nossa adoração; por favor, espere até que nosso serviço termine. ” A força-tarefa obedeceu.

Depois do serviço, o comandante e a equipe do escritório de assuntos étnicos e religiosos questionaram as qualificações de An como pregador. Eles se perguntaram se suas credenciais foram aprovadas pelo estado e se a reunião foi registrada no governo.

Insatisfeito com suas respostas, a força-tarefa exigiu levar An embora . Por sua vez, os fiéis pediram documentos legais adequados para suas ações, aos quais a equipe mostrou apenas um aviso de dissolução do bureau de assuntos religiosos em vez de um mandado de prisão.

Eles também não conseguiram mostrar uma carta de intimação e alegaram que o estavam fazendo verbalmente.

Apesar do procedimento legal falho, as autoridades ainda colocaram o aviso de dissolução na porta da igreja doméstica, impediram as pessoas de registrar o incidente e confiscaram os telefones celulares dos membros. Eles também registraram as informações pessoais de todos e confiscaram Bíblias, hinários e mantos do coral.

Por volta das 13h, junto com seu pregador e sua esposa, cinco outros cristãos foram levados à delegacia de polícia de Pingyang Road para interrogatório. A polícia tentou induzi-los a divulgar informações desfavoráveis ​​sobre sua igreja.

Eles foram solicitados a fornecer as senhas de seus telefones celulares. Em resposta à resistência, os cristãos detidos foram algemados e transportados para outra instalação policial. No processo, a irmã Zhang Xiao-ai, que estava de guarda na entrada, também foi levada.

Às 15h, os cristãos foram convidados a vestir os uniformes da prisão. Em seguida, foram algemados em uma sala de detenção. Foi só às 18h que eles puderam vestir as roupas novamente e pediram a cada um que fornecesse uma declaração. Esses crentes só foram libertados por volta das 21h30.

De acordo com a China Aid , a Igreja Xuncheng foi plantada pela Igreja Early Rain Covenant (ERCC) em Chengdu. O Pregador An Yankui se formou no seminário fundado pelo ERCC e está sob a influência da teologia reformada e do Pastor Wang Yi do ERCC, que está preso desde dezembro de 2018.

Gina Goh, Gerente Regional do ICC para o Sudeste Asiático, disse: “Nos dias de hoje, onde qualquer religião na China tem que se submeter ao controle do Partido Comunista Chinês (PCC) e do Presidente Xi Jinping, não é mais uma surpresa que uma igreja doméstica é vista como inimiga do estado e reprimida”.

A cegueira da China em relação à violação da liberdade religiosa precisa ser continuamente exposta para que Pequim saiba que não pode se safar cometendo esses atos malignos.