Índia: Radicais hindus exigem que governo negue benefícios aos cristãos

Radicais hindus fazem campanha para o governo negar benefícios sociais aos cristãos

Radicais hindus fazem campanha nas aldeias do distrito de Jhabua, no estado indiano de Madhya Pradesh, em 3 de novembro, pedindo às pessoas que apoiem sua demanda de negar benefícios sociais aos cristãos. (Foto fornecida)
Radicais hindus fazem campanha nas aldeias do distrito de Jhabua, no estado indiano de Madhya Pradesh, em 3 de novembro, pedindo às pessoas que apoiem sua demanda de negar benefícios sociais aos cristãos. (Foto fornecida)

Grupos de radicais hindus na Índia, lançaram uma campanha com o objetivo de impedir que os cristãos indígenas recebam benefícios do governo. Atualmente, a campanha está ativa em várias regiões como, Madhya Pradesh e estados de Odisha.

Esses grupos de radicais hindus estão agindo para impedir, ou pelo menos desencorajar, os tribais de se converterem ao cristianismo. Os radicais pedem que o governo prive os povos tribais de direitos educacionais e oportunidades de emprego em todo o país, caso fosse provado que se afastaram do hinduísmo para abraçar a Cristo.

Narendra Modi, o primeiro-ministro da Índia e o presidente Ram Nath Kovind receberam uma carta de solicitação do grupo Janajati Suraksha Manch (Fórum de Segurança Tribal) no estado de Odisha, no leste deste mês, informou o Christian Post.

Publicidade

A carta pedia ao presidente indiano e ao primeiro-ministro que impedissem os povos tribais convertidos ao cristianismo de garantir reservas em instituições educacionais, empregos no governo e no setor público, bem como outros benefícios que a constituição concederia a um cidadão indiano.

Esta carta de solicitação não é a primeira de seu tipo. Exigências semelhantes também foram feitas em outros estados indianos, como Madhya Pradesh, Chhattisgarh e Jharkhand.

Em setembro, Nishikant Dubey, um membro do Parlamento do círculo eleitoral de Godda de Jharkhand e membro do partido governante nacionalista hindu Bharatiya Janata, exigiu a mesma coisa: que o governo negasse aos que se convertem ao cristianismo os benefícios que pertencem aos que o fazem não deixe o hinduísmo.

Megha Oraon, uma oficial do Janajati Suraksha Manch, disse em um comunicado que as pessoas de outras religiões que desfrutam dos benefícios reservados para tribos regulares devem ser interrompidas. O oficial também pediu aos índios que “mantenham sua religião, cultura e tradições”.

No entanto, Ratan Tirkey, um membro católico do Comitê Consultivo de Tribos de Jharkhand, disse que a petição do grupo é apenas uma tentativa de “assediar os povos cristãos tribais que são considerados estranhos e anti-governo”, informou o UCA News.

Relatórios revelaram que, embora o censo indiano registre os tribais e indígenas como hindus, nem todos eles são realmente hindus. A maioria deles, de fato, não pratica o hinduísmo. Além disso, uma parte da população é daqueles que adoram a natureza.

Tirkey disse que os grupos radicais hindus “não estão prontos” para seguir a Constituição e os projetos de lei que as autoridades aprovaram para prestar assistência aos povos tribais.

“Ser tribal é de nascimento, mas religião é escolha. É bastante surpreendente que grupos de direita não estejam prontos para seguir o que foi escrito na constituição e os projetos de lei aprovados no parlamento sobre o esquema para ajudar os povos tribais”, disse Tirkey.

Impedir o governo de dar ajuda aos cristãos tribais é “desafiar a constituição e a Suprema Corte”, disse Tirkey. Isso porque o esquema não foi criado em nome de nenhuma religião. Foi feito para os pobres, enfatizou Tirkey.

“Se for um caso de religião, então o que dizer dos povos tribais que se tornaram hindus, muçulmanos ou seguem a religião tribal Sarna? Por que só os cristãos são visados?” Tirkey disse.

Embora relatos digam que a Índia ocupa o 10º lugar entre os países onde é difícil se converter ao cristianismo, o número de indianos que se voltam para Cristo continua a aumentar, relatou o Portas Abertas EUA.

Seguir o Amigo De Cristo no Google Notícias

Deixar cometário no Facebook: