Aldeia cristã é atacada por disputa de terra em Bangladesh

Cristãos são atacados em aldeia no norte de Bangladesh

aldeia cristã atacada bangladesh
Mulheres étnicas de Khasia contam e organizam folhas de bétele na aldeia cristã no distrito de Moulvibazar, em Bangladesh. (Foto: Mintu Deshwara)

Uma pessoa ficou ferida, uma capela e várias casas foram saqueadas quando uma multidão atacou uma aldeia cristã no norte de Bangladesh por causa de uma disputa de terras. O incidente aconteceu no inicio de novembro.

Cerca de 50 a 60 homens armados atacaram a vila de Ichhachhara no distrito de Moulvibazar na noite de 9 de novembro, horas depois que as autoridades expulsaram um homem muçulmano de uma terra cristã, disseram cristãos locais.

Rafiq Ali, o muçulmano que recentemente perdeu uma batalha legal pela propriedade da terra para um aldeão cristão Khasi, liderou os agressores que atacaram uma mercearia, além das casas e da capela.

O padre da paróquia local, padre Joseph Gomes, Oblato, disse que Ali ficou furioso depois que a administração o despejou de uma terra que ele ocupava ilegalmente na vila de cristãos Khasi, em sua maioria étnicos.

Os agressores “também atiraram tijolos e pedras nas casas das aldeias e um dos aldeões ficou ferido. Exigimos justiça pelo ataque e o fim dos abusos contra as pessoas étnicas”, disse o Padre Gomes.

A aldeia, habitada por cristãos da etnia Khasi, é coberta pela Igreja de Lokhipur da Diocese de Sylhet. “A terra e a plantação de folhas de betel pertencem a um homem Khasi, Jasper Amalrang. Mas Ali se apoderou dela à força com documentos falsos”, disse o padre Gomes ao UCA News.

Ele disse que o governo apoiava Amalrang, cuja única renda vinha da terra e da plantação.

O padre expressou consternação que os agressores ousaram vandalizar a capela usada para a liturgia dominical e deixaram suas cercas quebradas e o altar profanado.

A polícia local confirmou que o ataque foi por disputa de terras.

Ali “ficou magoado com a decisão” de despejá-lo “e por isso atacou a aldeia à noite”, disse Binay Bhushay Roy, oficial encarregado da área, ao UCA News.

“O governo local está tentando um acordo. Se isso não acontecer, vamos tomar medidas contra os agressores de acordo com a lei”, acrescentou.

Grilagem, despejo e violência contra o povo da etnia Khasi no nordeste de Bangladesh não são incomuns. Uma série de incidentes atingiu a comunidade nos últimos anos. Khasi é um grupo étnico matrilinear que vive principalmente em Bangladesh e nos estados do nordeste da Índia.

Estima-se que 40.000 Khasia vivam em Bangladesh, a maioria cristãos, que vivem em vilas florestais chamadas punji e dependem em grande parte das plantações de folhas de betel para sua subsistência.