Tribunal recusa a anular ordem de fechamento da igreja, na Argélia

Tribunal recusa a anular ordem de fechamento da igreja, na Argélia
A igreja foi fechada pela polícia em Tizi Ouzou , na Argélia

Um tribunal da Argélia se recusou a permitir que a segunda maior igreja protestante do país fosse reaberta, dez meses depois de ter sido fechada à força pelas autoridades.

O tribunal decidiu em agosto que a ordem de fechar a Igreja Fonte da Vida em Makouda foi justificada sob uma portaria de 2006 estipulando que a permissão deve ser obtida antes que um prédio seja usado para cultos não muçulmanos.

A igreja de 500 congregações foi uma das três igrejas argelinas seladas pelas autoridades em 15 de outubro de 2019. Oficiais expulsaram à força os fiéis da Igreja do Evangelho Pleno em Tizi Ouzou, que tem uma congregação de cerca de 700 membros, e selaram a Igreja da Luz de 100 membros , também em Tizi Ouzou.

Fechamentos de igrejas

Os fechamentos foram parte de uma ação que começou em 2018, que resultou em onze igrejas fechadas na Argélia, país de maioria muçulmana. As congregações dessas igrejas protestantes são compostas principalmente de convertidos do Islã e seus filhos.

De acordo com a portaria de 2006, a Comissão Nacional para o Culto Não-Muçulmano é responsável pela emissão de licenças para a aprovação dos edifícios da igreja, mas até agora nenhuma licença foi emitida. Isso deixa as igrejas legalmente vulneráveis ​​ao fechamento pelas autoridades.

Comitês de oficiais começaram a visitar igrejas regularmente no final de 2017, com o objetivo declarado de verificar a segurança, mas também solicitaram licenças para operar como igrejas.