Cristãos são espancados acusados de matar uma ‘vaca sagrada’ na Índia

Um dos cristãos sendo arrastado após ser espancado por radicais hindus, na Índia
Um dos cristãos sendo arrastado após ser espancado por radicais hindus, na Índia. Foto – Divulgação/Asia News)

Na Índia um grupo de cristãos, foram espancados acusados de abater uma vaca, por uma multidão de radicais hindus ‘vigilantes da vaca sagrada’ que atacou os cristãos tribais dalits em uma aldeia no estado de Jharkhand.

As vítimas foram espancadas, tiveram suas cabeças raspadas e foram forçadas a cantar Jai Shri Ram (Vitória para Lord Ram). O incidente ocorreu em 16 de setembro, disse George ao AsiaNews, mas só se tornou público na sexta-feira passada, depois que o ativista e ex-membro do conselho distrital Neel Justin Beck o relatou.

Na Índia, as vacas são consideradas sagradas e são um assunto delicado para a maioria hindu. Há ataques violentos frequentes contra minorias que matam animais para a carne; as principais vítimas são geralmente muçulmanos , mas os cristãos também são alvos.

Desta vez, o ataque envolveu sete cristãos que viviam em uma área tribal em Jharkhand, que foram acusados ​​sem provas de abate de um animal.

Deepak Kullu, um cristão tribal de 26 anos de Bherikudar, distrito de Simdega, cerca de 145 km a sudoeste de Ranchi, relata que um grupo de mais de 25 pessoas armadas com paus e porretes entraram na aldeia nas primeiras horas da manhã.

Os agressores vieram de aldeias vizinhas, de acordo com os primeiros relatórios. Eles primeiro agrediram Raj Singh Kullu e abusaram verbalmente da casta de sua esposa Jacqueline Kullu. Quando foram solicitados a se explicar, eles “começaram a gritar e a nos acusar de matar uma vaca”.

O grupo continuou a atacar e acertar, até mesmo exibindo um vídeo (provavelmente falso ou feito astutamente) no qual um velho de uma vila próxima afirma ter visto a matança de animais.

Arrastadas à força para a aldeia de Mahato Tola, a meio quilômetro de distância, as vítimas foram espancadas e forçadas a entoar “Jai Shri Ram”.

A polícia, chamada pelos agressores que sofreram ferimentos leves e não precisaram de atenção médica, vasculhou as casas dos cristãos, mas não encontrou nenhuma evidência do “crime”.

No dia seguinte, Jacqueline Kullu apresentou uma queixa sobre o ataque, que o superintendente da polícia do distrito de Simdega, Shams Tabrez, confirmou. A polícia então prendeu quatro pessoas e ainda está procurando outras dez.

“Os cristãos tribais são ocasionalmente atacados por grupos de ‘vigilantes da vaca sagrada’ afiliados à extrema direita de maioria hindus, sob acusações falsas e evidências infundadas de abate de animais”, disse Sajan K George ao AsiaNews .

“Eles usam a questão da proteção das vacas como pretexto, assim como as administrações locais” que apóiam, tácita ou abertamente, os abusos. Essas coisas já aconteceram em Jharkhand, onde “cristãos tribais foram mortos por tais grupos de vigilantes”.

O “Hinduísmo” dos povos tribais começou “décadas atrás com a ascensão de líderes políticos de direita”, explicou o ativista cristão, e ficou mais forte com agressão, violência e ataques direcionados, bem como “a negação dos direitos inerentes ao cultura da população tribal. ”

Em alguns estados, não existem leis específicas que punem o abate de gado; entretanto, com a ascensão do Partido Bharatiya Janata (BJP), muitas restrições punitivas foram introduzidas. “A própria Jharkhand viu vários episódios de linchamento de povos tribais e muçulmanos” devido a alegações infundadas.