Pastor é preso na Coreia do Sul pelo surto massivo do coronavírus

Pastor é preso na Coreia do Sul pelo surto massivo do coronavírus
O pastor Lee Man-hee foi preso na Coreia do Sul

Um pastor sul-coreano, considerado responsável pelo maior surto do coronavírus no país, foi preso. Lee Man-hee, 88, da Igreja de Jesus Shincheonji, é acusado de ocultar as informações dos membros da igreja de rastreadores de contrato, depois que 5.000 de seu rebanho foram infectados com o vírus.

O pastor Lee, também é acusado de desviar 5,6 bilhões de won (aproximadamente £ 3,6 milhões) e hospedar eventos religiosos não aprovados.

Em uma declaração, a Igreja de Jesus Shincheonji insistiu que a emissão de um mandado de prisão “não significa um veredicto de culpado” e observou que “todos os esforços possíveis serão feitos para revelar a verdade nos próximos julgamentos”.

O pastor foi forçado a se desculpar em março, após o surto massivo entre seus seguidores, que representou 36 por cento do total de infecções registradas na Coreia do Sul.

“Gostaria de oferecer minhas sinceras desculpas ao povo em nome dos membros”, disse ele na época, caindo de joelhos.

“Embora não tenha sido intencional, muitas pessoas foram infectadas. Colocamos nossos melhores esforços, mas não conseguimos evitar. Busco o perdão das pessoas. “Estou muito grato ao governo por seus esforços. Também busco o perdão do governo.” Disse, na época.

Em um alerta emitido em 2016, o vigário da Holy Trinity Brompton (HTB), Rev Nicky Gumbel, chamou a igreja de um “culto potencialmente perigoso”.

Naquela época, um grupo conhecido como ‘ParaChristo’, que se acredita ter ligações com Shincheonji, operava na área das Docklands, em Londres. Em um aviso por e-mail visto pelo Daily Telegraph, Gumbel escreveu:

“‘ParaChristo’ está conectado a um culto sul-coreano chamado Shincheonji liderado por Leen Man-hee.

“Conforme os seguidores se tornam mais dedicados, eles aprendem que Lee Man-hee é o ‘Advogado’ e o ‘novo John’ que deve ser adorado. “Estamos agora em contato com outras igrejas que têm experiência com esse culto enganoso e potencialmente perigoso.”

Lee Man-hee fundou a Igreja Shincheonji em 1984 e se vê como “o pastor prometido” – seus seguidores estão convencidos de que seu líder levará 144.000 pessoas para o céu com ele quando Cristo retornar.