China ordena hospitais para abortar e matar bebês de minorias religiosas

Governo chinês ordena que hospitais dispensem bebês de minorias religiosas e étnicas

China ordena hospitais para abortar e matar bebês de minorias religiosas
Uma mulher da minoria religiosa e étnica uigur, na China com seu bebê – Foto: Divulgação

Um novo relatório divulgado traz denuncias que os hospitais em Xinjiang foram ordenados pelo governo comunista da China, a abortar e matar todos os bebês nascidos além de seus limites obrigatórios de planejamento familiar.

O pedido inclui crianças recém-nascidas nascidas após serem carregadas até o final do prazo ou enfrentam multas pesadas, segundo o portal Christian Post. De acordo com uma obstetra uigur que trabalhou em vários hospitais na região autônoma uigur de Xinjiang, no noroeste da China, quem fez as denuncias.

A médica obstetra Hasiyet Abdulla, trabalhou durante 15 anos em hospitais da China, que segundo ele diz, as maternidades implementaram políticas de planejamento familiar estritas destinadas a restringir os uigures e outras minorias étnicas a três crianças.

Segundo informações da Radio Free Asia: “Cada hospital tinha uma unidade de planejamento familiar que era responsável pela implementação que tinha quantos filhos quando eles deram à luz – eles monitoraram tudo isso”, de acordo com Hasiyet Abdulla.

Os regulamentos eram tão rígidos: devia haver três ou quatro anos entre os filhos. Houve bebês nascidos aos nove meses que matamos após induzir o parto.

Eles faziam isso nas enfermarias da maternidade porque essas eram as ordens. ” De acordo com Abdulla, os bebês eram abortados mesmo quando suas mães estavam “grávidas de oito e nove meses” e relatou que, em alguns casos, a equipe médica “até matava os bebês depois que nasceram”.

Abdulla, continuou, dizendo que os bebês que nasceram no hospital fora dos limites do planejamento familiar não eram seguros também e que os médicos “os matariam e se livrariam do corpo”. “Eles não dariam o bebê aos pais – eles matam os bebês quando nascem”, disse ela.

“É uma ordem que vem de cima, é uma encomenda impressa e distribuída em documentos oficiais. Os hospitais são multados se não cumprirem, então é claro, eles fazem isso”. Conclui, a médica.