Testemunho: Entenda o fardo de ser o único cristão na família

Conheça a história de Gagan, um jovem indiano, que foi o único em sua família a aceitar a Cristo.

Entenda o fardo de ser o único cristão na família
Gagam um jovem cristão indiano de 21 anos  (Foto: Reprodução / Portas Abertas)

Por ser o único cristão na família, Gagan carrega o fardo de orar para que todos conheçam a Jesus. O jovem indiano, ouviu falar sobre Jesus por alguns amigos cristãos enquanto vivia no alojamento da escola, afastado da vila.

Naquela época, ele não pensava nada sobre o assunto, mas olhando para trás, percebe que um interesse foi despertado nele. Além disso, durante o último ano no Ensino Médio, ele participou de um acampamento de jovens e lá, aceitou a Cristo, decidindo segui-lo. Também decidiu que serviria ao Senhor depois da faculdade.

O jovem deixou a família saber sobre a decisão de seguir a Cristo. E, apesar de ser uma surpresa, eles não se opuseram. “Meus pais, entretanto, tinham me alertado para não ser influenciado por ninguém a me tornar cristão”. Relatou.

Gagan ficou longe da família e de suas tradições, culturas e crenças durante a maior parte da vida acadêmica. A situação também melhorou quando viram que ele tinha se tornado uma pessoa melhor após aceitar a Cristo.

Porém, a família se recusou a seguir com o jovem na jornada da fé cristã. O motivo é que eles vivem em uma sociedade do medo e viver na vila e ser parte da comunidade é o mesmo que seguir a fé e o sistema de crenças dos antepassados.

“O medo deles é muito real para mim também porque aceitar a Jesus e segui-lo significa se tornar um estrangeiro na comunidade. Embora eu seja grato aos meus pais por entenderem e considerarem minha fé pessoal, carrego o fardo de orar para que toda a minha família aceite a Jesus”.

O rapaz também teme pela segurança dos pais por estar seguindo uma fé diferente dos outros. A visão geral de Cristo na comunidade é que ele é um Deus estrangeiro e todos que seguem ao cristianismo são traidores da religião original local.

“Em tudo isso, me encorajo na história de Jó. Ele vivia uma vida boa e pacífica, mas chegou um tempo onde enfrentou uma imensa adversidade em todos os aspectos da vida. Eu sinto que a vida cristã não é toda fácil e apenas aqueles que desejam e estão enraizados em Cristo podem viver tal vida”, explica.

Gagan teme pela segurança dos pais por seguir uma fé diferente dos outros moradores da vila

Gagan é grato a Deus por guiar sua vida. Sua família era muito pobre para ajudá-lo a entrar em uma boa faculdade. Entretanto, parceiros da Portas Abertas o auxiliaram a entrar em uma instituição educacional de boa reputação.

“Eu estava sobrecarregado com os obstáculos, já que eu pertencia a uma vila remota e não tinha a documentação exigida. Entretanto, com a ajuda da Portas Abertas, perseverei e foi um alívio finalmente poder ser admitido e começar o curso”. Disse, ele.

Ele também agradeceu e encorajou os parceiros da Portas Abertas. “Jesus disse que há mais alegria no céu com um pecador perdido que vem a Deus e eu sou um desses que estava perdido e fui achado por causa do seu apoio e oração.

Muito obrigado. Após completar meus estudos, vou voltar e servir a Deus em minha vila. Isso é um grande desafio, mas acredito que Deus me preparará para isso e me dará sabedoria em como fazê-lo”, conclui.

Como ajudar

Você pode ajudar, mostre a cristãos na Índia, como Gaga, que eles não estão sozinhos ou esquecidos. Ao servir a Igreja Perseguida, você serve ao Senhor. Com uma doação, você oferece apoio a cristãos que enfrentam perseguição extrema por meio de ajuda emergencial, cuidado médico, abrigo, auxílio jurídico, entre outros.

*Nome alterado por segurança.