Seguir Jesus nos EUA em breve pode ser um risco pessoal, alerta pastor

Seguir Jesus nos EUA em breve pode ser um risco pessoal, alerta pastor
O pastor Andrew Brunson, conhece de perto os riscos de ser cristão na Turquia

O pastor Andrew Brunson, que ficou preso por sua fé na Turquia por dois anos, alertou que ser cristão nos EUA, pode em breve ser um grande risco pessoal, à medida que a cultura se torna cada vez mais “hostil” aos crentes.

“Existe um preço para seguir Jesus”, disse Brunson a centenas de pessoas reunidas na Convenção da Mídia Cristã das emissoras religiosas em Nashville, na semana passada. “Há um preço em outros países. Ouvimos falar sobre isso. Mas, cada vez mais, acho que haverá um preço a ser pago aqui”.

Segundo Brunson, “a mídia, a política, as classes empresariais, a maior parte da academia está se tornando cada vez mais hostil àqueles que se identificam publicamente com Jesus Cristo e com Seus ensinamentos”. Disse, o pastor ao The Christian Post.

“Sinto uma urgência em meu coração por esta geração em meu país”, enfatizou o pastor. “Sinto especialmente pela geração de meus filhos que eles não estão preparados para resistir. Não tenho certeza de que todos nesta sala está pronto para defender Jesus sem desculpas. ”

“Precisamos nos preparar agora, e tomar decisões sobre nosso compromisso com Jesus, porque, caso contrário, a tendência natural quando surgir as dificuldades é o medo. E quando temos medo, o instinto natural é fugir.”

“É normal ter medo”, acrescentou. “A questão é: você vai continuar apesar do seu medo? Você permanecerá fiel? No final, as pessoas vão pagar um preço pelo bem do Evangelho. No exterior, sim, mas também aqui … há um custo para seguir Jesus. ”

Brunson, um missionário cristão que vive na Turquia há mais de 20 anos, foi preso pelas autoridades turcas junto com sua esposa, Norine, em outubro de 2016.

Norine foi libertada logo depois, mas Brunson foi jogado na prisão, acusado de conspirar para derrubar o governo do presidente turco Recep Tayyip Erdogan. Após dois anos de detenção, Brunson foi libertado em outubro passado depois que o governo Trump impôs sanções ao país.

Brunson compartilhou detalhes sobre sua prisão na Turquia, revelando que experimentou uma crise de fé enquanto estava detido.

“Na verdade, eu estava com muito medo”, ele admitiu. “A questão, na verdade, é o que fazemos quando temos medo. Há coisas para se temer.

Apesar da severa perseguição, Brunson disse que acredita que Deus está “se movendo poderosamente” na Turquia, Síria, Iraque e outras regiões do Oriente Médio.

“Acredito que milhões de muçulmanos começarão a seguir Jesus Cristo“, disse ele. “O que Deus nos mostrou é que esse movimento poderoso ocorrerá em circunstâncias difíceis. Deus permite que as coisas dos fundamentos em que confiamos sejam abaladas para chamar nossa atenção. Ele permite em nosso país e em outros lugares. ”

“Haverá uma colheita nos locais mais perigosos e mais difíceis, e isso significa que há risco para quem vai colher a colheita nesses locais”.

Muitos jovens muçulmanos agora têm acesso ao Evangelho graças à ascensão dos smartphones, explicou Brunson. “O vento de Deus varrerá essa área e muitos se voltarão para o Senhor. Quem vai acompanhá-los? Quem os discipulará? Muito disso terá que ser feito através da mídia até que as igrejas possam ser estabelecidas nesses lugares.”

O pastor alertou que “se não ficarmos aqui, isso terá repercussões muito além dos EUA”

“Se os EUA entrarem no escuro, haverá graves consequências para muitos outros países, porque os EUA têm sido uma das principais bases de missão no mundo”, disse ele. “Grandes bênçãos fluíram da igreja americana para outros países”.

Portanto, as escolhas que fazemos aqui agora terão consequências para nós aqui, para nossas gerações aqui, mas também ou para as próximas gerações e para muitas outras ao redor do mundo.

“O que nos motivará a permanecer?” ele perguntou. A resposta é encontrada no Primeiro Mandamento: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o seu coração, com toda a sua alma e com toda a sua mente”.

É isso que alimenta a resistência, o que alimenta a perseverança.” Amar a Deus, declarou ele, também significa defender a Deus e buscar intencionalmente o coração de Deus “nos posiciona para receber designações Dele”.

“Ele é digno e vale a pena”, concluiu o pastor. “No final, você nunca se arrependerá do que colocar em risco por causa do seu amor a Deus.”