China aumenta a perseguição contra os cristãos

Os ataques a igrejas domésticas em toda a China se intensificaram nos últimos meses, quando policiais e funcionários do governo invadiram locais de culto e intimidaram congregações.

Aumenta a perseguição aos cristãos na China
Aumenta a perseguição aos cristãos na China. Foto – Divulgação

O atual aumento da perseguição aos cristãos chineses, levou um grupo de quatro pessoas, liderado pelo vice-secretário de uma cidade na província de Hunan, invadiu uma igreja local. Eles confiscaram a caixa de doações da igreja e destruíram dez versículos da Bíblia nas paredes.

Quando o diretor do local perguntou aos funcionários por que eles estavam destruindo e retirando as propriedades da igreja, o secretário-adjunto respondeu rudemente que era “o resultado de sua desobediência“. Ele acrescentou que era “ilegal realizar reuniões religiosas sem permissão ou ingressar na Igreja dos Três Autos”.

Em 17 de maio, o Departamento de Assuntos Religiosos da cidade de Yongzhou, na província, fechou uma igreja doméstica por “realizar reuniões ilegais sem permissão“. Os funcionários confiscaram todos os objetos de valor do local, incluindo um computador, fotocopiadora e Bíblias.

A revista italiana Bitter Winter, relata o aumento da perseguição aos cristãos. Em 19 de abril, a polícia da cidade de Dengzhou, na província central de Henan, invadiu um local da Sola Fide, confiscou suas Bíblias e hinários e levou oito membros da congregação a uma delegacia para interrogatório.

Após sua libertação, um deles relatou à Bitter Winter que um policial disse que “não podiam acreditar em Deus na China”. Ele acrescentou que os descendentes daqueles que são presos por praticar sua fé, seriam implicados e proibidos de ingressar no exército ou trabalhar em serviço público.

O crente também revelou que, meio mês depois, a polícia visitou os oito membros presos em casa para verificar se eles continuam participando de reuniões religiosas. Os policiais avisaram que seriam condenados de três a cinco anos de prisão se eles se reunissem novamente.

“Não violamos nenhuma lei crendo em Deus, mas o governo nos trata assim“, disse o crente com tristeza. “O governo quer eliminar todas as religiões e nos ameaça com o futuro de nossos familiares, forçando-nos a desistir de nossa crença. É realmente sem vergonha.

O governo do condado de Ninghai, na província oriental de Zhejiang, vem intensificando as ações contra igrejas domésticas nos últimos meses.

O diretor de um antigo local da Igreja Local na cidade de Changjie, no condado, disse ao Bitter Winter que funcionários do Departamento de Assuntos Religiosos visitavam sua casa todos os domingos para verificar se ele não estava realizando reuniões lá. Eles ameaçaram prendê-lo e demolir sua casa se três ou mais membros da igreja fossem encontrados em seu lugar.

O local foi um dos locais de culto fechados da cidade em dezembro do ano passado. Segundo uma fonte, funcionários do governo central organizam “inspeções de retorno” secretas para garantir que as igrejas em casas fechadas não reabram. As autoridades locais são obrigadas a patrulhar os locais fechados todos os domingos.

O diretor de outra igreja doméstica disse ao Bitter Winter que o governo local o convocou em maio. Eles ameaçaram multá-lo em 30.000 RMB (cerca de US $ 4.300) se ele fosse descoberto realizando uma reunião pela primeira vez e em 300.000 RMB (cerca de US $ 43.000) pela segunda.

Um pregador local explicou que, devido ao aumento da perseguição e do assédio, a maioria das igrejas domésticas no condado de Ninghai foi forçada a se dispersar.

Saiba mais sobre a perseguição aos cristãos na China.