Perseguição religiosa uma realidade para cristãos e muçulmanos

Perseguição religiosa uma realidade para os cristãos
Igreja destruída pela fatalidade da perseguição religiosa (Foto – OSJ)

Há uma crescente epidemia de perseguição religiosa de minorias em todo o mundo. Uma realidade para os cristãos e minorias religiosas que também costumam ser minorias étnicas que também sofrem isolamento social e econômico.

A comunidade cristã síria, uma das mais antigas do mundo, está sendo atacada pelo EI (Estado Islâmico), assim como outros grupos religiosos como muçulmanos xiitas e yazidis.

Muitos cristãos foram ordenados a se converter ao Islã, pagar um imposto religioso ou enfrentar a morte. Há 4.841.305 refugiados sírios registrados que fugiram da perseguição religiosa nas mãos do Estado Islâmico e do caos geral na Síria.

Em Mianmar budista (Birmânia), mais de 150.000 muçulmanos da etnia Rohingya foram despojados de sua cidadania e forçados a entrar em campos horríveis. Eles não podem se casar legalmente, estar empregados ou frequentar universidades.

Em 2014-15, oitenta e oito mil arriscaram suas vidas e suas economias para embalar em barcos furados fornecidos por traficantes de seres humanos com destino à Malásia. Milhares nunca conseguiram.

O pastor Zhang Shaojie está cumprindo uma sentença de 12 anos na prisão chinesa. Embora o cristianismo seja uma das cinco religiões oficialmente reconhecidas na China, as igrejas domésticas são vulneráveis ​​às acusações de ser um culto e os pastores cristãos enfrentam perseguição.

O Partido Comunista Chinês também reprimiu muçulmanos uigures, budistas tibetanos e praticantes do Falun Gong.

Perseguição religiosa na França, EUA e Canadá

Em Nice, na França, policiais forçaram uma mulher muçulmana a remover algumas de suas roupas, dizendo que não respeitava os “bons costumes e secularismo”. Isso não seria um tipo de perseguição religiosa?

O burkini, um maiô de corpo inteiro frequentemente usado por mulheres muçulmanas que exercem seu direito à liberdade religiosa, foi banido pelas autoridades da cidade. O presidente Sarkozy foi citado dizendo que o burkini é “provocação ao serviço de um projeto de islamismo político radicalizado”.

Historicamente, práticas religiosas indígenas, como a Sundance e o Potlatch, foram proibidas nos EUA e no Canadá. O direito dos povos indígenas à liberdade religiosa foi finalmente protegido nos EUA em 1978 através da Lei de Liberdade Religiosa do Índio Americano. No Canadá, a proibição dessas práticas foi removida da Lei Indiana em 1951.

Estas são apenas algumas das situações em que as minorias religiosas sofrem sob restrições à sua liberdade religiosa em todo o mundo. Quase ¾ da população mundial vive em países onde há alguma restrição à liberdade religiosa, seja do governo ou de grupos não estatais, como o Estado Islâmico.

Infelizmente, são frequentemente os líderes religiosos que estão incitando à violência contra minorias religiosas.

Quando os conflitos são simplificados para muçulmanos x cristãos, hindus x muçulmanos etc., outras dinâmicas econômicas e políticas que estão alimentando conflitos são muitas vezes mascaradas.

Essa simplificação excessiva é problemática porque qualquer restrição ao direito à liberdade religiosa é um problema sério. Precisamos entender completamente as raízes desses conflitos para ajudar.

Por que nos importamos

“Continue lembrando os que estão na prisão como se estivessem juntos com eles na prisão, e os que são maltratados como se estivessem sofrendo.” (Hebreus 13: 3)

A liberdade de adorar e servir a Deus é um direito humano dado por Deus. Também é um direito garantido pelas constituições de muitos países – incluindo o Canadá, os EUA e o Brasil. É declarado claramente no artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos:

“Artigo 18 Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; esse direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar sua religião ou crença no ensino, na prática, no culto e na observância, sozinho ou em comunidade com outras pessoas e em público ou em particular.”

Uma distinção deve ser feita entre países como o Brasil, Canadá e os EUA, onde os cristãos não são minoria e, de fato, têm muito poder. Embora muitos cristãos estejam preocupados em proteger a liberdade religiosa, isso é marcadamente diferente das situações de perseguição enfrentadas por pessoas em todo o mundo que são minorias religiosas, que têm pouco poder ou proteção política e cuja designação religiosa as torna vulneráveis ​​a danos.

Como é a restauração

A perseguição religiosa é uma realidade presente em muitos países e afeta diferentes segmentos religiosos.
A perseguição religiosa é uma realidade presente em muitos países e afeta diferentes segmentos religiosos.

“Todo mundo se sentará debaixo de sua própria videira e debaixo de sua própria figueira, e ninguém os assustará, pois o Senhor Todo-Poderoso falou. Todas as nações podem andar em nome de seus deuses, mas nós andaremos em nome do Senhor nosso Deus para todo o sempre.” (Miquéias 4: 4-5)

Através do profeta Miquéias, Deus faz um retrato de pessoas florescendo em suas próprias terras, livres do medo. Sabemos que Deus está trabalhando em Seu mundo para restaurá-lo, e vemos sinais de esperança disso na proclamação do Evangelho, mas isso não implica na supressão da liberdade religiosa de pessoas que professam outra fé/crença.

Durante os protestos de 2011 no Cairo, os cristãos se uniram para proteger os muçulmanos enquanto oravam, embora 23 cristãos coptas tenham morrido em um ataque suicida apenas um mês antes em Alexandria. Os muçulmanos também protegeram as igrejas cristãs.

Mais de 250 líderes muçulmanos, membros de grupos historicamente perseguidos, aliados inter-religiosos e funcionários do governo se reuniram no Marrocos no início de 2016 para assinar a Declaração de Marraquexe, pedindo a proteção total da liberdade religiosa de todos os grupos religiosos nos países de maioria muçulmana.

Estes são apenas alguns exemplos que demonstram o quanto a liberdade religiosa é uma preocupação compartilhada, também, por diferentes religiões, e não apenas pelo cristianismo, ainda que em outras tradições o número de pessoas realmente interessadas nessa pauta seja muito menor.

Com isso, tenha em mente alguns princípios:

  • Defendemos com nossos governos e instituições internacionais a resistência efetiva, justa e sábia contra grupos religiosos extremos e violentos que causam estragos no mundo;
  • Nosso objetivo é sempre usar o poder que Deus nos deu para proteger os vulneráveis, alcançar uma paz justa e ajudar a restaurar os relacionamentos corretos entre aqueles em conflito e perseguição;
  • Não devemos demonizar a perseguição religiosa sofrida apenas pelos cristãos, mas também a sofrida pelos fiéis de outras religiões. Ficamos felizes em proteger o direito deles à liberdade de crença, buscando sempre relacionamentos respeitosos, o que não impede a proclamação do Evangelho;
  • Reconhecemos a imagem de Deus nas pessoas de outras religiões, como seres humanos, e quando compartilhamos as boas novas de Cristo com eles, fazemos isso em relacionamentos de reciprocidade e confiança, e com humildade.

*Com informações do Escritório Social da Justiça