Cristãos na Nigéria estão sendo mortos silenciosamente

Em 2019, cerca de 1000 cristãos foram abatidos no nordeste da Nigéria.

Cristãos da Nigéria estão sendo abatidos silenciosamente
Militares nigerianos protegem uma área onde um cristão foi morto por militantes (Foto:Divulgação)

Noventa e um milhões de cristãos vivem na Nigéria, eles representam cerca de 46% de uma população total de 196 milhões. Mas, também há um número semelhante de muçulmanos na Nigéria – mais de 90 milhões.

Na Nigéria, a maior economia da África, a maioria dos cristãos vive no sul do país e sua liberdade religiosa é respeitada. Mas no norte da Nigéria e no “Cinturão do Meio”, onde os cristãos são minoria, eles enfrentam níveis terríveis de perseguição nas mãos de extremistas islâmicos.

O grupo militante Boko Haram, sequestrou e matou aqueles que se recusam a se conformar à sua marca extremista do Islã. Ataques de grupos armados de pastores muçulmanos Fulani resultaram na morte, mutilação, desapropriação e despejo de milhares de cristãos.

Meninas inocentes e vulneráveis, como Leah Sharibu, cuja mãe visitou Londres em fevereiro para pedir ajuda a Boris Johnson, passaram o início da vida adulta como escravas e negaram os direitos humanos básicos, cativos a um ISIS ressurgente.

Doze dos dezenove estados do norte estão sob a sharia (lei islâmica), e os cristãos nesses estados enfrentam discriminação. O Índice Global de Terrorismo em 2016 e 2017 nomeou as milícias Fulani como o quarto grupo terrorista mais mortífero do mundo, com apenas Boko Haram, ISIS e al-Shabab sendo considerados mais mortais.

Em 2019, cerca de 1000 cristãos foram abatidos no nordeste da Nigéria. Isso representa mais de 6.000 mortes desde 2015. Na maioria, com os agricultores cristãos constituindo o maior número de baixas depois que terroristas e militares do Boko Haram foram levados em consideração.

Nos primeiros três meses de 2020, houve mais de 200 incidentes violentos com grupos terroristas em toda a Nigéria. Esses três meses brutais houve 766 mortes, relacionadas a atividades terroristas ou militantes.

A Nigéria ocupa a 12° posição na (Lista Mundial de Perseguição 2020) da Portas Abertas dos países em que os cristãos são mais perseguidos. No entanto, em comparação com os onze países à sua frente, a Nigéria está apenas um ranking abaixo de extremo.

A situação difícil para os cristãos perseguidos é agravada pelo contexto hostil que as mídia  de notícias também sofrem. O Repórteres Sem Fronteiras, classifica a Nigéria em 120 dos 180 países em liberdade de imprensa. Observando um ‘clima de violência permanente’.

Uma falta de transparência resultante torna mais difícil expor a corrupção endêmica. O Índice de Percepção de Corrupção 2019 classificou a Nigéria em 146ª no mundo – duas posições abaixo de 2018 – marcando um péssimo 26 pontos em 100 possíveis, no nível do Irã. O silêncio em torno do massacre, no entanto, é sentido da mesma maneira dolorosamente na mídia ocidental.

É nossa responsabilidade ouvir o grito deles e projetá-lo para o mundo. Em suas orações, lembre-se dos mártires da Nigéria e, ao acordar um a um da catástrofe, recuse-se a encobrir esse massacre em silêncio.

Por, Ayo Adedoyin, CEO do PSJ UK, uma organização humanitária que faz campanha contra a perseguição de cristãos na Nigéria.