Brasil ultrapassa Itália com casos ativos de Covid-19

Brasil ultrapassa Itália com casos ativos de Covid-19 Os números do avanço da pandemia do coronavírus mostram que o Brasil “ultrapassou” a Itália, em casos ativos de Covid-19, sendo a Itália um dos países mais atingidos do mundo, em número absoluto de casos “em acompanhamento”.

Esse dado reúne as pessoas que já tiveram a infecção pelo Sars-CoV-2 confirmada, mas que não morreram nem se curaram, ou seja, continuam contaminadas. De acordo com balanço do Ministério da Saúde divulgado no sábado (9), o Brasil soma 83.627 de casos do novo coronavírus em acompanhamento.

Já a Itália, segundo os dados deste domingo (10) da Defesa Civil, tem 83.324 contágios ainda ativos. Em 27 de abril, quando esse número começou a cair de forma ininterrupta, o país europeu somava 105.813 casos em acompanhamento, enquanto o Brasil tinha 30.816.

Esse dado mostra momentos opostos vividos nos dois países no combate à pandemia. Com um regime rígido de quarentena. No entanto, a Itália tem registrado uma tendência de queda no número diário de mortes e, mesmo assim, tem cada vez menos casos ativos.

O resultado disso é que menos pessoas necessitam de cuidados médicos ao mesmo tempo, inclusive em unidades de terapia intensiva, reduzindo a pressão sobre o sistema de saúde.

Já o Brasil vê o número de casos em acompanhamento crescer na casa dos milhares diariamente, mesmo com uma média de 554 mortes confirmadas a cada 24 horas na última semana – a Itália teve média de 241 óbitos por dia no mesmo período.

Números relativos

Por outro lado, quando se analisa os números frente ao tamanho da população, os dados do Brasil ainda estão longe dos da Itália.

Os casos ativos da Covid-19 na Itália é 219.070, o que representa 3.629 para cada 1 milhão de habitantes, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (Istat). O Brasil, por sua vez, tem 155.939, sendo 737/1 milhão de habitantes, de acordo com a projeção atualizada da população feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Considerando apenas os casos em acompanhamento, a taxa no Brasil é de 395/1 milhão de habitantes, contra 1.380/1 milhão de habitantes na Itália.

(Com informações da ANSA)