Igrejas na Coreia do Sul voltam abrir com restrições e distanciamento

Em todo o mundo, um grande número de igrejas fechou suas portas em resposta à pandemia

Igrejas na Coreia do Sul voltam abrir com restrições e distanciamento
Igrejas na Coreia do Sul voltam abrir com restrições (Foto: Divulgação/Quartz)

Após uma paralisação para ajudar a conter a disseminação do coronavírus, algumas igrejas na Coreia do Sul voltam abrir. Mas, com restrições como parte do regulamento do governo sul-coreano.

Embora o país asiático tenha uma política de distanciamento social até 5 de maio, o governo concedeu às entidades religiosas algum alívio. Além de igrejas, entidades esportivas também foram incluídas nos regulamentos, segundo a Reuters.

A Igreja Onnuri, em Seul, que tem um santuário com capacidade para 3.000 pessoas, tem um limite de 700 participantes para o culto. No entanto, os fiéis devem se registrar on-line para participar e receber assentos designados.

+ Igrejas voltam abrir às portas para fiéis após isolamento social

“Eu não tinha medo. Eu acreditava que a igreja obedeceria a princípios seguros”. Disse Kang Hye-mi, um religioso de 29 anos na Catedral Católica de Myeongdong, em Seul, conforme relatado pela Reuters.

No início deste ano, a Igreja Shincheonji de Jesus, um grupo religioso secreto considerado por muitos como uma seita oculta, tornou-se o epicentro da pandemia de coronavírus na Coréia do Sul.

Igreja tinha 10 mil infectados

A seita estava ligada ao surto de COVID-19 no país, representando cerca de metade dos casos do país. Essa seita, foi responsável por mais de 10.000 infecções ligadas ao grupo.

Lee Man-hee, presidente da Igreja Shincheonji, realizou uma conferência de imprensa em março, expressando desculpas pela contribuição de sua seita religiosa para a disseminação do vírus.

“Gostaria de me desculpar sinceramente a todo o povo da Coreia por esta crise. Embora não tenha sido de propósito, vimos um aumento dramático de pacientes confirmados ” , afirmou na época.

“Para evitar uma maior disseminação do COVID-19, as autoridades têm trabalhado duro e nós em Shincheonji estamos cooperando. Totalmente com as autoridades para impedir a disseminação também.” Disse ele, no comunicado.

Em todo o mundo, um milhares de igrejas fecharam suas portas em “resposta” aos esforços para conter a disseminação do coronavírus. Porém, com muitos migrando para os cultos on-line.

Nos Estados Unidos da América, alguns estados estão planejando diminuir as restrições às reuniões de massa, com igrejas e outras casas de culto que devem ter reabertura suave.

No Missouri, a Summit Church of Bozeman está planejando reiniciar os cultos presenciais, embora respeitando as orientações sobre distanciamento social.

“Definir cadeiras a 2 mt de distância, onde as pessoas têm essa segurança, higienização para ter desinfetante para as mãos disponível”, explicou o líder da Cúpula, Lance Steeves, à mídia local.

“Estações são montadas onde as pessoas limpam. Serviços de encurtamento, onde ajuda as pessoas a aliviar coisas como o banheiro. Conversamos sobre talvez fechar áreas como os locais de reunião, como em torno do café.” Disse, Steeves.