Cristãos se reúnem em segredo após fechamento de igreja na China

Quanto mais somos perseguidos, mais compartilhamos o evangelho, diz cristão

Cristãos se encontram em segredo após fechamento de igreja na China
A igreja de Chengdu foi fechada pelas autoridades (Foto: Reprodução/Bitter Winter)

Cerca de 200 cristãos começaram se reunir em segredo depois que as autoridades fecharam uma igreja na província de Sichuan, no sudoeste da China. Enquanto adoramos a Deus, Seu templo permanece em nossos corações, disse um cristão.

A polícia invadiu a construção de uma igreja registrada pelo estado na capital da província, Chengdu e ordenou que o pastor parasse de realizar reuniões em novembro de 2019. Logo depois, os 200 cristãos se dispersaram em pequenos grupos e começaram a se reunir em segredo.

Oficiais derrubaram a cruz e o nome da igreja assinou sua entrada antes de selar o prédio. Eles então colocaram um guarda do lado de fora por mais de 20 dias para impedir que os cristãos voltassem.

Os membros da congregação disseram que antes da igreja ser fechada, eles solicitavam uma permissão no Departamento de Assuntos Religiosos local, mas eram recusados. Quanto mais o governo nos perseguir, mais compartilharemos o evangelho, disse o cristão.

Fontes da Igreja dizem que, de acordo com novos regulamentos sobre assuntos religiosos introduzidos pelo governo em fevereiro, todas as igrejas sem um certificado de registro de local de atividade religiosa seriam consideradas “ilegais”.

Mas quando as igrejas solicitam tais permissões, o Departamento de Assuntos Religiosos não as aprova e as autoridades usam isso como pretexto para fechá-las, denuncia ele.

As medidas fazem parte de uma repressão contínua por parte das autoridades às igrejas “três-eu” regulamentadas pelo estado e às “igrejas domésticas” não oficiais na China, que viram muitas igrejas fechadas em todo o país, e cruzes removidas dos edifícios das igrejas.