350 cristãos na Nigéria foram mortos nos primeiros 2 meses de 2020

Grupo estima que pelo menos 11.500 cristãos nigerianos foram mortos desde junho de 2015

Cerca de 350 cristãos na Nigéria foram mortos nos primeiros meses de 2020
Grupo estima que pelo menos 11.500 cristãos nigerianos foram mortos desde junho de 2015

Mais de 350 cristãos nigerianos foram mortos nos primeiros dois meses de 2020, e outros 11.500 cristãos assassinados desde junho de 2015. Quatro a cinco milhões de cristãos são deslocados e 2000 igrejas foram destruídas.

A Nigéria se tornou um campo de extermínio de cristãos. Fontes confiáveis ​​mostram que entre 11.500 e 12.000 cristãos foram mortos desde junho de 2015, quando o governo de Buhari, na Nigéria, chegou ao poder.

Essas estatísticas são baseadas em registros cuidadosos mantidos por grupos da igreja que incluem os nomes das vítimas e as datas de seus assassinatos.

Os pastores jihadistas Fulani foram responsáveis ​​por 7.400 assassinatos de cristãos. O Boko Haram cometeu 4000 assassinatos de cristãos. “Bandidos da estrada” que separavam cristãos de muçulmanos em ônibus e depois mataram os cristãos cometeram mais de 200 assassinatos.

Os Jihadistas Fulani são agora o grupo terrorista mais mortal do mundo. Cinco cristãos nigerianos são massacrados todos os dias pelos jihadistas Fulani e Boko Haram.

Cem por cento dos 7.400 assassinatos de pastores jihadistas Fulani desde junho de 2015 eram cristãos. As milícias fulani acabam com aldeias cristãs inteiras, mas deixam aldeias muçulmanas ilesas.

4000 cristãos foram mortos pelo Boko Haram, a maioria dos 6.000 civis massacrados pelo Boko Haram / Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP) desde junho de 2015.

A maioria das vítimas de bandidos / seqüestradores de estradas no norte da Nigéria são cristãos que viajam para as partes norte ou sul do país usando a Estrada Federal Birnin-Gwari, perto de Kaduna.

O Boko Haram também mata muçulmanos que trabalham com o governo nigeriano, ensinam ou frequentam escolas, e qualquer pessoa que não se submeta ao domínio mortal do Boko Haram. De 2009 a 2020, o Boko Haram matou pelo menos 27.000 civis, ainda mais que o ISIS na Síria e no Iraque, tornando o Boko Haram o grupo terrorista mais mortal do mundo. Essa “distinção” foi reivindicada pelas milícias jihadistas Fulani.

Em janeiro e fevereiro de 2020, foram registrados 350 assassinatos de cristãos. Entre 100 e 150 viajantes cristãos foram seqüestrados nas estradas. Das 350 mortes cristãs, os pastores jihadistas Fulani foram responsáveis ​​por 250 assassinatos, e Boko Haram e ‘Highway Bandits’ foram responsáveis ​​pelas 100 mortes restantes.

Os assassinatos de cristãos na Nigéria continuaram em março e abril de 2020. Cinqüenta cristãos indefesos foram assassinados por milícias jihadistas Fulani na Nigéria em março de 2020. Militantes jihadistas Fulani mataram dez cristãos nos primeiros dois dias de abril de 2020. Desde então, um massacre de cristãos tem ocorreu quase diariamente.

Entre os estados mais atingidos na última rodada de ataques dos pastores jihadistas Fulani estão o estado de Plateau com 70-80 mortes, Kaduna 50 mortes, Kogi 30 mortes, Benue 15-20, Delta 16 e Taraba 10. Os pastores jihadistas Fulani também realizaram ataques em Nasarawa, Adamawa, Edo e outras partes do país, levando à morte de dezenas de cristãos.

Os ataques anticristãos do Boko Haram desde janeiro de 2020 também se intensificaram nos estados de Borno, Adamawa e Taraba. Eles reivindicaram entre 50 e 70 vidas cristãs e destruíram dezenas de igrejas e outros edifícios pertencentes a cristãos. “Bandidos / seqüestradores de estradas” invadiram e saquearam aldeias cristãs e emboscaram e sequestraram viajantes cristãos.

De acordo com o jornal Vanguard, “320 pessoas foram mortas na Nigéria no mês de janeiro de 2020” e, de acordo com Sahara Reporters, “223 pessoas morreram na Nigéria no mês de fevereiro de 2020”.

O Índice Global de Terrorismo de 2019 também afirmou que “2.040 cristãos foram mortos por militantes radicalizados de Fulani na Nigéria somente em 2018”.

A ONG nigeriana de direitos humanos Intersociety declarou em março de 2019 que ‘nada menos que 2400 cristãos indefesos foram assassinados por pastores jihadistas Fulani em 2018. Em 2019, houve entre 1000 e 1.200 mortes de cristãos’.

No total, nada menos que 10.475 cristãos foram assassinados por jihadistas desde junho de 2015. Os jihadistas fulani foram responsáveis ​​por cerca de 62% ou 7.400 mortes.

As forças de segurança da Nigéria (Exército, Força Aérea e Polícia) foram responsáveis ​​por 1.050 mortes de cristãos. Todas as mortes ocorreram fora da lei e foram cometidas em grave violação dos direitos humanos e leis humanitárias internacionais.

Até o momento, os autores desses crimes hediondos contra a humanidade permaneceram à espreita.

Nada menos que 20 clérigos, incluindo pelo menos oito seminaristas, foram assassinados desde junho de 2015 e 50 foram sequestrados. Entre os sacerdotes mortos estão o Rev.