Bolsonaro critica ações para fechamento de igrejas

“Tem gente que quer fechar igreja, que é o último refúgio das pessoas”, afirmou o presidente

Bolsonaro critica ações para fechar igrejas durante pandemia
Presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro, criticou em entrevista ao apresentador Ratinho no SBT, as ações tomadas por governos estaduais e municipais para o fechamento de igrejas durante a pandemia do coronavírus.

Sem citar nomes, Bolsonaro disse que “muita gente” quer dar satisfação ao seu eleitorado e toma “providências absurdas”. “Tem gente que quer fechar igreja, que é o último refúgio das pessoas”, afirmou o presidente, ecoando o que vem sendo dito por Silas Malafaia.

“Eu acho que o pastor vai saber conduzir o seu culto. Ele vai ter consciência o pastor, o padre , se a igreja está muito cheia, falar alguma coisa. Ele vai decidir lá”, acrescentou Bolsonaro, que também argumentou que a garantia de culto é um direito no Brasil.

Com a escalada de casos confirmados do coronavírus no Brasil, sanitaristas recomendam a redução do contato social para reduzir a contaminação. Porém, governadores e prefeitos têm adotados medidas para restringir a circulação de pessoas.

Segundo à Folha de São Paulo, o governador de (SP) João Doria (PSDB) recomendou que templos e igrejas na região metropolitana não realizem cultos por um período de 60 dias.

O tucano disse que a orientação não significa que os templos religiosos não poderão abrir durante a crise sanitária, mas os fiéis devem tomar certos cuidados, entre eles manter distância um dos outros para evitar a propagação da doença.

O Ministério Público do estado fez, por sua vez, uma cobrança para que o governador e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), fechem espaços que recebem aglomerações, entre eles igrejas.