Apesar do coronavírus, o governo chinês continua destruindo igrejas

Coronavírus não impede demolição de igrejas na China

Apesar do coronavírus, o governo chinês continua destruindo igrejas
Igreja na cidade de Yixing, Jiangsu, sendo destruída (Forto: Reprodução)

Apesar do governo chinês dedicar enormes recursos para conter a disseminação do novo coronavírus (COVID-19), você pensaria que o governo comunista poderia demitir temporariamente a perseguição à comunidade cristã pressionada do país. Infelizmente, não.

Em vez disso, o fechamento de igrejas para conter infecções por coronavírus deu ao Estado uma oportunidade fundamental para saquear santuários e retirar os centros de adoração de seu simbolismo cristão.

A evidência é chocante. Em 13 de março, e com os moradores em isolamento, uma igreja no condado de Guoyang, província de Anhui, teve sua cruz removida em plena luz do dia. O vídeo do incidente mostra um guindaste puxando uma grande cruz vermelha para fora das instalações da igreja:

Embora a igreja geralmente tenha cerca de 40 pessoas participando do culto de domingo, as autoridades supostamente exploraram a paralisação nacional entrando na igreja e removendo a cruz enquanto ela estava vazia.

A perseguição ordenada pelo governo chinês comunista, não para por ai. No início desta semana, Bob Fu, da China Aid, divulgou um vídeo de uma igreja na cidade de Yixing, Jiangsu, sendo destruída. A perseguição religiosa continua mesmo no meio do #WuhanVirus”, disse ele.

Outra igreja no distrito de Huaishang, na cidade de Bengbu, província de Anhui, também teve sua cruz removida no início de março. Yao, um cristão local, disse à China Aid que a remoção foi liderada pelo chefe do Departamento da Frente Unida local, um órgão do Partido Comunista empregado para governar assuntos religiosos.

Segundo a International Christian Concern , a maioria das igrejas do país – clandestinamente ou aprovadas pelo estado – estão reunidas on-line desde o início do fechamento. Existe uma preocupação, no entanto, de que o governo implemente uma repressão brutal a essas reuniões virtuais assim que a resposta do vírus começar a se acalmar.

Até o momento, a China registrou quase 81.000 casos confirmados da doença COVID-19, com 3.200 mortes. A doença, que teve origem na cidade de Wuhan, província de Hubei, resultou em quase 10.000 mortes em todo o mundo.