Juiz é denunciado por ir a evento evangélico com Bolsonaro

O juiz Marcelo Bretas está sendo investigado a pedido do Ministério Público Federal, por sua participação no evento evangélico.

Juiz é denunciado por ir a evento evangélico com Bolsonaro
O juiz federal Marcelo Bretas participou de dois eventos ao lado do presidente no Rio de Janeiro (Foto: Reprodução)

O juiz federal Marcelo Bretas, está sendo denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro por participar de um evento evangélico com o presidente Jair Bolsonaro e prefeito do Rio, Marcelo Crivella.

O Ministério Público Federal, pede apuração se houve violação à legislação eleitoral nas presenças do prefeito Marcelo Crivella e do juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal, em dois eventos evangélico e na inauguração de uma obra no último fim de semana.

Segundo o Globo, para o MPF, os promotores eleitorais devem se atentar para as condutas de ambos “levando em consideração possível uso eleitoral do poder religioso”.

No último sábado, o prefeito do Rio “Marcelo Crivella e Bretas” participaram de um evento evangélico no Rio com Bolsonaro e outras autoridades. A comemoração dos 40 anos da Igreja Internacional da Graça foi realizada pela congregação do missionário RR Soares na Enseada de Botafogo, no Rio.

Segundo a procuradora regional eleitoral Silvana Batini, embora tivesse propósito religioso, envolveu discursos políticos. Bolsonaro, por exemplo, agradeceu aos fiéis pelos votos que recebeu em 2018 e afirmou que “o Brasil está mudando”.

Prefeito e magistrado já tinham ido no sábado à outra agenda: a inauguração da alça de ligação da Ponte Rio-Niterói com a Linha Vermelha. Bretas, que é responsável pelo julgamento dos processos da Operação Lava-Jato no Rio, chegou ao local no carro oficial do próprio presidente Bolsonaro.

Antes do pedido do MPF, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), representada por seu presidente nacional, Felipe Santa Cruz, protocolou junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma reclamação disciplinar contra Bretas. Conforme adiantou o blog do jornalista Lauro Jardim.

Para a OAB, a participação do magistrado nos dois eventos contraria o disposto no artigo 95 da Constituição Federal, que dispõe sobre os direitos dos juízes e as condutas vedadas a eles. Também há menção no pedido a publicações que Bretas fez nas redes sociais em referência a Bolsonaro, uma delas saudando o presidente com boas-vindas.

Juiz se defende

Em nota publicada no Twitter, o juiz Marcelo Bretas se defendeu: “Acompanhando o Sr Presidente participei de solenidade de inauguração de obra na Ponte Rio-Niterói e, ato seguinte, de Culto evangélico comemorativo dos 40 anos da Igreja Evangélica Internacional da Graça de Deus, na Praia de Botafogo.”

Esclareço, ainda, que em nenhum momento cogitou-se tratar de eventos político-partidários, mas apenas de solenidades de caráter técnico/institucional (obra) e religioso (Culto).

“ Vale notar que a participação de autoridades do Poder Judiciário em eventos de igual natureza dos demais Poderes da República é muito comum, e expressa a harmonia entre esses Poderes de Estado, sem prejuízo da independência recíproca.”, disse o juiz.

“Por fim, esclareço que desde sempre professo a Fé Cristã Evangélica, e que fui muito bem recebido pelo Pastor R.R. Soares, responsável pelo evento, com quem orei e entoei louvores ao nosso Deus”, finalizou Bretas.