Israel aprova retorno de mais 400 judeus etíopes

Atualmente, cerca de 140.000 judeus etíopes estão vivendo em Israel hoje.

Israel aprova retorno de mais 400 judeus etíopes
Milhares de judeus etíopes se reúnem para o feriado de Sigd, em Jerusalém. Foto: Jonathan Goff

Aproximadamente 400 judeus etíopes estão prestes a retornarem para sua terra natal em Israel, depois que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, aprovou no domingo (9), a transferência de centenas de judeus da Etiópia para sua terra bíblica.

“Estou orgulhoso do fato de, como Primeiro Ministro, ter tido o privilégio de trazer milhares de nossos irmãos e irmãs da Etiópia, e pretendemos – é claro – continuar fazendo isso”, disse Netanyahu em uma reunião de gabinete.

Netanyahu prometeu ajudar os imigrantes etíopes a serem bem-sucedidos na sociedade israelense e combater todas as “expressões de racismo” que possam enfrentar.

O ministro de imigração Yoav Galant, disseram aos ministros do governo há cerca de 40 anos, como comando, tive o privilégio de ajudar a trazer os primeiros olim etíopes imigrantes da costa sudanesa.

Hoje, como Ministro da Absorção, estamos trabalhando para trazer os Falash Mura restantes, que estão esperando na Etiópia, devido ao processo eleitoral. Há mais 398 pessoas esperando por nada em Adis Abeba e Gondar quando poderiam estar sentadas hoje em centros de absorção no Estado de Israel, disse Galant.

Falash Mura é o termo dado aos judeus etíopes cujos ancestrais se converteram ao cristianismo, muitos pela força, durante os séculos XIX e XX. Desde que o Falash Mura se converteu ao cristianismo, o Ministério do Interior de Israel não os considera judeus e eles são excluídos da Lei do Retorno.

Se os Falash Mura querem retornar a Israel, eles devem obter permissão especial do governo.

A Campanha pelos Aliya dos judeus etíopes disse em comunicado que congratula-se com a decisão do gabinete, mas “não está satisfeito com uma quantidade pequena e limitada de imigrantes”.

É absurdo que imigrar 400 judeus da Etiópia seja um procedimento difícil e complicado, enquanto na Europa Oriental milhares de pessoas emigram todos os meses sem um exame cuidadoso, afirmou o comunicado, conforme publicado pela mídia israelense.

O governo israelense em 2018 aprovou um plano para permitir que 1.000 Falash Mura retornem ao Estado judeu. Estima-se que 8.000 membros da comunidade Falash Mura ainda morem na Etiópia.

A Campanha pelos Aliya* (termo que designa a imigração judaica) dos judeus etíopes disse que apenas 600 foram trazidos de volta a Israel na prática, isso é apenas a continuação de uma decisão existente.

O grupo também pediu ao governo de Netanyahu que cumpra sua promessa de 2015 de levar todos os judeus etíopes em Adis Abeba e Gondar a Israel. Atualmente, cerca de 140.000 judeus etíopes estão vivendo em Israel hoje.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui