Evangélicos podem superar católicos no Brasil até 2032

A população que se declara evangélica podem superar pela primeira vez o total de católicos no Brasil a partir de 2032, quando o número absoluto de seguidores de cada uma das duas religiões deve ficar em torno de 90 milhões, diz pesquisador.

Segundo o especialista José Eustáquio Alves, professor aposentado da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, os últimos dados oficiais, há aproximadamente 22 milhões de evangélicos (22% do total) contra 125 milhões de adeptos do catolicismo (64%).

Ainda de acordo com o demógrafo, o número de brasileiros adeptos da religião evangélica cresce em média 0,8% ao ano desde 2010, enquanto a quantidade de católicos diminui 1,2% no mesmo período.

+ Evangélicos devem ser maioria no Brasil até 2032, diz Datafolha

Com isso, a progressão geométrica aponta para que cada uma das duas religiões correspondam a cerca de 40% da população em 2032 (veja quadro abaixo). Se a curva se mantiver, a partir daquele ano, portanto, os evangélicos podem superar os católicos e se tornar maioria no país.

“Estamos vivendo uma transição religiosa nos últimos anos”, diz Eustáquio Alves, que estende sua avaliação para todos os países da América Latina, de acordo com a revista Veja.

A alteração mais emblemática no quadro religioso do Brasil, porém, deverá ser confirmada em 2022, quando há previsão de os católicos representarem, pela primeira vez, menos de 50% da população.

Para o pesquisador, os resultados das últimas eleições gerais, que ampliaram a presença de evangélicos no Congresso, são o reflexo mais direto deste fenômeno no Brasil.

Nos Estados Unidos, onde está a maior população absoluta de evangélicos do mundo, o fenômeno é diferente, segundo Alves. “Os que se declaram sem religião são os que mais crescem lá”, diz o pesquisador.  

7 COMENTÁRIOS

  1. Toda a honra e toda a glória sejam dadas a jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador!

  2. Toda honra e glória sejam dadas ao Senhor Jesus Cristo, aquele que por nós, se entregou à morte, e morte de cruz, morte de um condenado. Ele, que jamais pecou, assumiu a culpa dos nossos pecados, e derramou na cruz o seu sangue remidor, proporcionando a todos a oportunidade de perdão e eterna salvação, tão somente por crer nEle e confessar publicamente a sua fé (Evang. de João 3.16-18).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui