Muçulmanos matam duas jovens cristãs em ataque na Nigéria

As jovens foram mortas por pastores fulanis em motocicletas que invadiram na vila

Muçulmanos matam duas jovens cristãs em ataque na Nigéria
Muçulmanos matam duas jovens cristãs em ataque na Nigéria

Grupo de radicais muçulmanos Fulani matam duas jovens cristãs durante um ataque na capital do estado de Kaduna, na Nigéria, as jovens cristãs foram mortas por pastores que invadiram a vila atirando.

Segundo o Morning Star News, as jovens cristãs, Briget Philip, de 18 anos, e Priscilla David, 19, foram mortas por pastores de cabras em motocicletas que invadiram na vila de Gora-Gan, no condado de Zango Kataf, no final da tarde, atirando nos aldeões que encontravam pela frente.

“As duas jovens eram estudantes do ensino médio, adoravam na igreja de Gora-Gan”, disse a moradora local Luka Biniyat à saída.

Outros cristãos também ficaram feridos no ataque à comunidade cristã, entre eles estavam Henry Jonathan, de 18 anos, Benjamin Peter, 19 anos, e Goodluck Andawus, 12, disse ele, acrescentando que os pastores atacaram quando as pessoas se reuniram na praça da aldeia, onde o evangelismo e atividades sociais são realizadas.

“Quando as pessoas fugiram para os arbustos próximos para se esconder, o grupo Fulani recuou e foi embora”, disse Solomon John, morador da região. “Estamos tristes com esses ataques ao nosso povo, que parecem intermináveis.”

Apenas duas semanas antes, uma gangue de 20 pastores muçulmanos Fulani armados atacou a aldeia predominantemente cristã de Kulben, na Nigéria Central, matando 13 e ferindo três.

Todas as vítimas eram membros da Igreja de Cristo nas Nações. “Eles estavam atirando com armas em todas as direções, forçando os moradores a pularem nos arbustos ao redor”.

Segundo o morador da vila, Michael Mutding: “Cadáveres dos mortos foram evacuados por soldados e policiais para o necrotério do Hospital Mangu Cottage, e todas as vítimas são membros do COCIN”. Disse ele.

Nigéria o pais que mais mata cristãos

Mais de 1.000 cristãos foram mortos na Nigéria durante ataques de extremistas Fulani que continuam a atormentar as comunidades rurais no Cinturão Médio da Nigéria, segundo dados da organização não governamental Humanitarian Aid Relief Trust, sediada no Reino Unido.

Houve aumento nos ataques extremistas de Fulani no estado de Kaduna em 2019, depois que os cristãos foram acusados ​​de um ataque de represália a um assentamento de Fulani que matou até 131 em fevereiro.

Os pastores nômades Fulani “procuram substituir a diversidade e a diferença por uma ideologia islâmica que é imposta com violência àqueles que se recusam a cumprir. É – de acordo com a Câmara de Representantes da Nigéria – genocídio”, disse a Baronesa Cox ao Christian Institute.

A lista Mundial da Perseguição da organização de vigilância cristã Portas Abertas, coloca a Nigéria em 12º lugar na lista de países onde é mais difícil ser cristão.

O CEO da Portas Abertas, David Curry, disse durante uma entrevista coletiva na semana passada que a Nigéria ainda representa o país mais violento do mundo para os cristãos, tanto quanto os dados da organização podem rastrear.

Eu acho errado olhar para Fulani somente por questões territoriais. Eles têm uma ideologia que é historicamente radicalizada e têm uma agenda para empurrar os cristãos para fora dessas comunidades, disse Curry.

A reportagem de capa de que, de alguma forma, essas são suas terras antigas e assim por diante, não justifica comportamentos ilegais contra os cristãos que vivem lá.

Ele criticou o governo da Nigéria por sua incapacidade de controlar a violência perpetrada pelos pastores muçulmanos Fulani e pelo grupo extremista islâmico Boko Haram em todo o país.

“A grande tragédia da resposta ineficaz da Nigéria aos pastores Fulani e Boko Haram, agora faz parte dos Camarões e outras áreas como Burkina Faso são muito afetadas”, disse Curry.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui