Cristãos são torturados em prisões na China, para renunciar à fé

São forçados com doutrinação enquanto cumprem suas sentenças

Cristãos são torturados em prisões da China, para renunciar à sua fé
Cristãos são torturados em prisões na China, para renunciar à sua fé – Foto ilustração

Cristãos da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG) da província oriental de Jiangsu, estão sendo torturados em prisões na China para renunciar à sua fé, forçados com doutrinação enquanto cumprem suas sentenças.

Uma cristã foi condenada a três anos de prisão, acusada de “usar um xie jiao para minar a aplicação da lei”. Recentemente libertada, a mulher contou como foi seu tempo em cativeiro para organização cristã Bitter Winter, que apoia os cristãos perseguidos na China.

A expressão chinesa xie jiao é traduzida em documentos oficiais chineses para o inglês como “cultos” ou reuniões de grupos religiosos designados como “cultos malignos”.

+ Cristã sai deficiente da prisão na China após 7 anos de tortura

“Durante minha prisão, fui forçada a recitar os regulamentos prisionais e os textos das leis nacionais. Fui muitas vezes forçada a escrever relatórios ideológicos até meia-noite ”, a mulher começou sua história.

O diretor da prisão também a pressionou repetidamente a assinar as “três declarações” que são Declaração de Confissão, Declaração de Crítica e Declaração de Desmembramento, para renunciar à sua fé.

Torturas e espancamentos

Porque ela recusava todas as vezes, os guardas da prisão eram obrigados a espancá-la e torturá-la. Eles chocaram a mulher com bastões elétricos, ameaçando eletrocutá-la se ela continuasse se recusando a assinar as declarações.

“Recebi apenas uma porção de mingau de aveia e metade de um pão cozido no vapor uma vez por dia, de manhã, por 17 dias consecutivos”, continuou a mulher. Ela acredita que, morrendo de fome, os guardas esperavam fazê-la ceder.

Eles também borrifaram o rosto e os olhos com água com pimenta, dizendo que “ninguém sai deste lugar antes de ser transformado”, ou seja, desconvertido da fé cristã.

O assédio intensificou-se no segundo semestre de 2018. “Como punição, fui forçada a ficar parada por horas durante o dia e depois copiar os textos de materiais doutrinários até meia-noite, depois ficar parado novamente.

Às vezes, eu recebia apenas duas horas de sono, no máximo. Muitas vezes me sentia tonta, perdi mais de 15 quilos de peso. Fui torturada assim por quatro meses, lembrou a mulher nesses dias horríveis. Lembra ela.

De acordo com os documentos obtidos por Bitter Winter que foram emitidos por instituições em todos os níveis do governo, as prisões que detêm presos condenados por “usar um xie jiao para minar a aplicação da lei” recebem cotas de “transformação”.

Como exemplo, a Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos da província de Shanxi instruiu as prisões da jurisdição a garantir que 85% de todos os membros condenados do xie jiao sejam transformados antes de serem libertados.

Ou seja, eles precisam confessar seus crimes assinando as “três declarações”, divulgar todos os detalhes sobre suas práticas religiosas, locais de culto e irmãos, além de prometerem nunca mais participar de nenhuma atividade religiosa.

Um documento emitido em 2019 pelo governo de um município da província de Zhejiang ordena “transformar por doutrinação” pelo menos 80% dos membros da CAG que foram anteriormente presos ou registrados pelo estado e garantir que menos de 20% dos crentes desconvertidos retomam sua fé.

A China atualmente ocupa a posição número 23º da Lista Mundial da Perseguição da Portas Abertas, com os 50 piores países. para ser cristão.