Todos os dias, 8 cristãos são mortos por seguir Jesus, diz relatório

Relatório revela extermínio diário de cristãos

Cerca de 8 cristãos são mortos todos os dias por causa de sua fé
Relatório revela extermínio diário de cristãos (Foto: Funeral no Egito)

A Portas Abertas organização focada em servir cristãos perseguidos em todo o mundo, diz que todos os dias 8 cristãos são mortos por sua decisão de seguir Jesus. O relatório mostra que cerca de 260 milhões de cristãos experimentam “altos níveis de perseguição”.

A organização divulgou um relatório anual de dados em 15 de janeiro de 2020 que destaca os 50 principais países onde os crentes em Cristo são mais perseguidos por sua fé.

Isso foi durante um briefing com a participação de representantes do governo Trump, do Congresso, da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional e ativistas de direitos humanos de destaque nos Estados Unidos.

A Portas Abertas observou que todas as semanas, 182 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados durante o período coberto pelo relatório de 2019 (1 de novembro de 2018 a 31 de outubro de 2019) em mais de 60 países. E todo mês, cerca de 309 cristãos eram presos injustamente.

“Não podemos deixar isso acontecer”, disse David Curry, presidente e CEO da Open Doors USA. “As pessoas estão se manifestando e temos a obrigação de ouvir seus gritos.”

A lista “fornece os dados de base mais abrangentes sobre a perseguição cristã”, disse Curry. Mas é muito mais do que isso. Está soando um alarme. As nações listadas compreendem 260 milhões de cristãos sofrem altos níveis de perseguição, acima dos 245 milhões da lista do ano passado.

Os dez países onde é mais difícil seguir Jesus de acordo com o novo relatório:

1. Coreia do Norte
2. Afeganistão
3. Somália
4. Líbia
5. Paquistão
6. Eritreia
7. Sudão
8. Iêmen
9. Irã
10. Índia

Outros 50 milhões podem ser adicionados das 23 nações que ficam fora dos 50 principais – como México, Chade e República Democrática do Congo – por uma proporção de 1 em cada 8 cristãos em todo o mundo enfrentando perseguição.

Um dos países listados na World Watch List 2020 que não estava em 2019 é o Burkina Faso. Segundo o Christian Post, as estimativas sugeriram que mais de 250 pessoas foram mortas por grupos extremistas islâmicos em Burkina Faso em 2019.

Houve relatos de vários ataques a igrejas e fiéis cristãos, incluindo um ataque em dezembro a um culto que matou pelo menos 14 pessoas.

A China ficou em 23º lugar na lista em 2020. Em 2019, esta nação ficou em 27º. Segundo Curry, 5.596 igrejas na China foram fechadas, muitas das quais porque se recusam a colocar câmeras de vigilância em suas igrejas.

Curry destacou, como relatado pelo Christian Post, que a China representa a “maior ameaça” aos direitos humanos, pois busca controlar o povo e as igrejas chinesas através da vigilância.

“As igrejas devem ser lugares sagrados”, disse ele. “Se o governo estivesse monitorando você, todos os seus movimentos, marcando sua cidadania com base na frequência com que você frequentava a igreja ou não, como você se sentiria? É o que está acontecendo na China. ”

No ano passado, 40 países pontuaram alto o suficiente para registrar níveis de perseguição “muito altos”. Este ano, atingiu 45.

A Portas Abertas monitora a perseguição cristã em todo o mundo desde 1992. A Coreia do Norte ocupa o 1º lugar desde 2002, quando a lista de observação começou.

“É hora da perseguição religiosa parar de uma vez por todas”, disse o secretário de Estado adjunto dos Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado dos EUA. “Mas, como todos sabemos, essa é uma proposta de longo prazo.” Lamenta, Robert Destro.