Ter fé não é crime, diz pastor após ser condenado a prisão na China

O pastor Qin Derfu foi condenado a quatro anos de prisão

Ter fé não é crime, diz pastor após ser condenado a prisão na China
Ter fé não é crime, diz pastor após ser condenado a prisão na China

O pastor Qin Derfu, líder de uma das igrejas mais perseguidas na China, a Igreja do Pacto de Chuva Precoce, enfrentou o tribunal e declarou “ter fé não é crime”, após ser condenado a prisão.

Detido desde o ano passado, o pastor Qin Derfu foi condenado a quatro anos de prisão por “negócios ilegais” após uma sentença em 29 de novembro. A decisão sobre sua prisão foi tomada quatro dias após a conclusão de seu julgamento no Tribunal Popular de Qingyang.

De acordo com a International Christian Concern, observador da perseguição, Qin foi avisado de que se ele permitisse a designação de dois advogados do governo para o seu caso, ele “precisaria apenas comparecer à corte antes de ser libertado”.

Depois de aceitar o governo chinês voltou atrás com sua palavra, cumprindo-o com uma sentença de quatro anos pelo crime de “imprimir e publicar ilegalmente publicações sem autorização da Administração Estatal de Imprensa”.

Segundo o juiz, o crime de Qin foi especialmente grave porque ele escolheu ajudar a imprimir dezenas de milhares de panfletos do evangelho.

Em sua declaração final antes de ser levado embora, Qin protestou por sua inocência:

“Sou cristão e sirvo na minha igreja, de acordo com as necessidades da minha congregação. Com o entendimento de um cidadão comum, não fiz nada ilegal ou contrário à lei, e acredito que ter fé cristã não é crime”, declarou.

O pastor sênior do Covenant Rain, Wang Yi, permanece atrás das grades, enquanto outros membros da igreja detidos na repressão brutal do ano passado à igreja foram libertados desde então.

Especialistas jurídicos acreditam que diante a sentença dada a Qin por seus supostos crimes, o pastor Wang Yi, poderia estar olhando para uma década na prisão.

“De acordo com o testemunho do pastor Wang Yi, ele assumiu ativamente as principais responsabilidades pela impressão desses materiais de evangelismo”, escreveu o advogado designado por ele no Facebook. “Então, com base nisso (sentença de Qin), sinto que Wang receberá pelo menos 10 anos de prisão.”

Respondendo à conclusão do caso de Qin, a gerente regional da ICC para o Sudeste Asiático, Gina Goh, disse:

“Condenamos veementemente o governo chinês pela injustiça aplicada a um cristão devoto, que não fez nada ilegal e foi punido apenas por sua fé e ministério. Pedimos orações para a Igreja do Pacto de Chuva Precoce, que continua enfrentando perseguição por parte do governo, explorada por seu direito de adorar livremente na China.”

Continue orando por esses bravos homens de Deus, enquanto lutam contra a perseguição implacável. Pediu a advogada da ICC.