Pastor é preso após dar um tapa no bumbum de repórter ao vivo

Pastor é preso após dar tapa no bumbum de repórter ao vivo
Pastor é preso após dar tapa no bumbum de repórter ao vivo

Um pastor participante de uma corrida de 10 quilômetros na Geórgia, foi preso acusado de assédio sexual, após dar um tapa no bumbum de uma repórter ao vivo, enquanto ela cobria o evento.

O corredor Thomas Callaway, 43 anos, é pastor do ministério da juventude de Statesboro, foi preso na sexta-feira 13, acusado de “agressão sexual” segundo à Fox News. O incidente aconteceu em Savannah, no condado de Chatham.

Um video postado na rede social pela repórter de TV Alex Bozarjian, mostra o pastor vindo correndo e bater na bunda da profissional, no último dia 7 de dezembro, na maratona de rua Savannah Bridge Run. O vídeo foi visto mais de 12 milhões de vezes no Twitter.

A reação inicial da jornalista a principio, foi de espanto, ela olhou chocada para à câmera sem acreditar no que havia acontecido, e após alguns segundos recobrou e conseguiu terminar à cobertura do evento.

“Para o homem que bateu na minha bunda, ao vivo na TV hoje de manhã: você me violou, objetou e me envergonhou”, disse Bozarjian. “Nenhuma mulher NUNCA deveria ter que aturar isso no trabalho ou em qualquer lugar !! Faça melhor.” Escreveu ela.

Após a prisão, o homem se diz arrependido e disse que foi levado pelo momento. “Eu estava me preparando para trazer minhas mãos para acenar para a câmera e o público, e houve um julgamento errado de caráter e tomada de decisão”, ele admitiu. Eu a toquei de volta. Não sabia exatamente onde a toquei.

“A conduta exibida em relação a Alex Bozarjian, durante sua cobertura ao vivo de Savannah Bridge Run, no sábado, foi repreensível e completamente inaceitável”, disse a emissora de TV em que a repórter trabalha após a prisão.

“Ninguém deve ser desrespeitado dessa maneira. A segurança e a proteção de nossos funcionários são a maior prioridade da WSAV-TV.” Disse à emissora.

Em um comunicado à imprensa a advogada, da jornalista Gloria Allred, disse em resposta à prisão. “Alex Bozarjian está feliz que a aplicação da lei esteja levando esse assunto a sério. Ela sente que um repórter deve ser capaz de fazer seu trabalho sem ser agredido ”, diz o documento.

O comunicado também diz que, se o caso for a julgamento, Bozarjian será uma testemunha e, portanto, “não terá mais comentários até que o caso seja concluído”. A acusação que o pastor enfrenta é punível com até um ano de prisão.