Pastor é condenado a 9 anos de prisão na China

O pastor Wang foi condenado sob acusações de subversão de poder e operações comerciais ilegais

Pastor é condenado a 9 anos de prisão na China
Pastor é condenado a 9 anos de prisão na China acusado de subversão

O pastor Wang Yi, foi condenado a 9 anos de prisão na China, nesta segunda-feira (30), acusado de subversão pelo governo comunista chinês, como parte da repressão de Pequim a grupos religiosos sem registro.

Wang Yi, é pastor da igreja Early Rain Covenant Church, em Chengdu, cidade do sudoeste do país, foi detido pela polícia em dezembro de 2018, junto de outros líderes religiosos, porém a maioria dos quais foi solto subsequentemente.

No Tribunal Popular Intermediário de Chengdu, o pastor Wang foi condenado a nove anos de prisão, sob acusações de subversão de poder e operações comerciais ilegais, em meio ao aumento da perseguição religiosa na China.

Liberdade religiosa

A Constituição chinesa garante a liberdade religiosa, mas desde que o presidente, Xi Jinping, tomou posse seis anos atrás o governo vem endurecendo. As religiões ocidentais são vistas como um desafio à autoridade do Partido Comunista.

O governo vem reprimindo igrejas clandestinas, tanto protestantes quanto católicas, e adotou uma nova legislação para aumentar a supervisão da educação e das práticas religiosas, com punições mais severas para práticas não sancionadas pelas autoridades.

“O veredicto de hoje zomba das supostas liberdades religiosas da China”, disse Patrick Poon, pesquisador da Anistia Internacional para a China, em um comunicado.

“Wang Yi estava meramente praticando sua religião e defendendo os direitos humanos na China pacificamente. A pena de nove anos é horrorosa e injusta.”

A lei chinesa exige que igrejas e locais de culto, se registrem à supervisão governamental. Mas alguns se recusaram a se legalizar por várias razões e são conhecidos como igrejas “caseiras” ou “clandestinas”.

O pastor Wang, fundou o Early Rain na cidade de Chengdu, rejeitou a ideia de que sua igreja deveria evitar questões políticas. Isso, para a igreja pudesse operar sem ser molestada pelas autoridades.

Em um sermão de 2017 sobre o assunto. Ele compartilhou uma citação dizendo que era “melhor prejudicar seu corpo 10 vezes mais do que prejudicar sua alma uma vez”.

Segundo o New York Times, em um comunicado divulgado no Facebook, a igreja disse que Wang não cometeu nenhum crime e sempre apoiou a separação entre igreja e estado.

“Ele ensinou que, mesmo quando a igreja está sendo perseguida, os cristãos devem estar dispostos a se submeter às restrições físicas do governo. Bem, como à privação de suas propriedades”, afirmou o comunicado. “Ele nunca disse ou fez nada que incita a subverter o poder do Estado”.