Israel autoriza cristãos de Gaza visitar Belém e Jerusalém no Natal

 Israel autoriza cristãos de Gaza visitar Belém e Jerusalém no Natal
Israel autoriza cristãos de Gaza visitar Belém e Jerusalém no Natal

EFE – Israel atende pedido e autoriza os cristãos da Faixa de Gaza, vistar as cidade da Terra Santa de Belém e Jerusalém, para celebrar o Natal como fazem tradicionalmente todos os anos.

Antes, Israel tinha decidido que não permitiria os cristãos de vistar as duas cidades da Terra Santa, devido aos últimos confrontos e à restrição rígida imposta quanto à mobilização para fora do território da Faixa de Gaza, controlado pelo Hamas.

“Até agora recebemos 55 autorizações de entrada em Cisjordânia e Jerusalém dos 600 pedidos que enviamos ao lado israelense na semana passada”, disse Kamel Ayad, porta-voz da Igreja Ortodoxa de Gaza, à Agência Efe.

Ainda de acordo com Ayad, das 55 autorizações, três são para crianças, e 47 para adultos com mais de 60 anos. “É possível que nas próximas horas consigamos as demais licenças”, acrescentou.

A comunidade cristã em Gaza aguarda ansiosamente as licenças solicitadas para ir aos lugares sagrados e sair da atmosfera sufocante de Gaza, que por um lado está sujeita a um bloqueio israelense há mais de uma década, e por outro vive sob o governo de fato do movimento islâmico Hamas.

Ontem, o coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios, general Kamil Abu Rukun, que está à frente da instituição militar israelense que administra a ocupação do território de Gaza, informou que seriam “ampliadas as medidas civis em benefício da população cristã da Faixa de Gaza em reconhecimento das festas natalinas”.

“Como parte destas medidas, serão emitidas autorizações de entrada para Jerusalém e para a região de Judeia e Samaria (Cisjordânia) de acordo com as avaliações de segurança e sem considerar a idade (dos requerentes)”, diz a nota.

A decisão foi tomada após queixas de líderes cristãos na Terra Santa, entre eles o administrador apostólico, o franciscano Pierbattista Pizzaballa, que considerou a falta de liberações como “um castigo adicional” para uma pequena comunidade “injustamente punida pelo bloqueio” imposto ao enclave desde 2007, quando o Hamas assumiu o controle da Faixa.

Pizzaballa mudou-se para Gaza na semana passada e lá celebrou uma missa em sinal de apoio à comunidade cristã, estimada em cerca de 900 pessoas, a maioria observadora do rito ortodoxo grego. EFE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui