Homem é condenado a 16 anos de prisão, por queimar bandeira LGBT

Ele foi condenado a 15 anos de prisão pelo crime de ódio envolvendo o incêndio criminoso

Homem é condenado a 16 anos de prisão, por queimar bandeira LGBT
Homem é condenado a 16 anos de prisão, por queimar bandeira LGBT, de igreja progressista

Um homem foi condenado a 16 anos de prisão por queimar a bandeira LGBT de uma igreja progressista do orgulho gay nos (EUA), após ser considerado culpado pelo júri do tribunal em várias acusações, entre elas, crime de ódio.

Adolfo Martinez, de 30 anos, foi condenado no estado americano de Iowa no mês passado na cidade de Ames, por acusações de crimes de ódio um crime de classe “D” no estado, além de assédio de terceiro grau e uso imprudente de fogo.

O incidente ocorreu no início de 11 de junho, Martinez foi até à Igreja Unida de Cristo que fica no centro de Ames, pegou a bandeira e a queimou em frente de um clube de strip-tease.

A polícia diz que tudo começou quando recebeu um chamado para conter um homem que estava fazendo ameaças no clube de strip-tease Dangerous Curves. Quando os policiais chegaram ao local, ele já havia sido expulso pelos funcionários do bar.

Após deixar o clube, Martinez foi até a igreja e arrancou a bandeira. Em seguida, voltou à boate e usou fluido para isqueiro para queimar a bandeira na rua. Também ameaçou botar fogo no bar.

As acusações de crimes de ódio foram adicionadas pela procuradora do condado de Story, Jessica Reynolds, disse que o crime foi praticado contra a propriedade por causa do “que ela representa na orientação sexual”. Ele foi condenado pelos crimes em novembro.

Ele foi condenado a 15 anos de prisão pelo crime de ódio envolvendo o incêndio criminoso, e outro ano pelo uso imprudente de explosivos de fogo. Ele também recebeu uma sentença de 30 dias por assédio.

Reynolds, disse em entrevista ao USA Today que Martinez é a primeira pessoa de Story, a ser condenada por um crime de ódio no condado.

A queima da bandeira em junho ocorreu poucas semanas antes do 50º aniversário dos distúrbios de Stonewall, que são creditados como um momento inicial importante para o movimento do orgulho gay nos Estados Unidos.