Estado Islâmico divulga vídeo de 11 cristãos decapitados na Nigéria

Os 11 cristãos decapitados foi uma resposta à morte do líder, Abu Bakr al-Baghdadi

Estado Islâmico divulga vídeo de 11 cristãos decapitados na Nigéria
Estado Islâmico divulga vídeo de 11 cristãos decapitados na Nigéria

O grupo extremista Estado Islâmico, divulgou um vídeo nesta sexta-feira 27, da execução de 11 cristãos decapitados no nordeste da Nigéria. A decapitação segundo o grupo jihadista, é uma resposta à morte do líder, Abu Bakr al-Baghdadi.

As imagens postadas em um canal de notícias online do Telegram na noite de quinta-feira (26), pelo braço de propaganda ligado ao ISIL, Amaq, mostraram 11 homens com os olhos vendados sendo alinhados em um local ao ar livre não identificado, un dia após o Natal.

Um homem mascarado aparece no vídeo de quase um minuto afirmando que o assassinato dos 11 cristãos decapitados foi uma resposta à morte do líder, Abu Bakr al-Baghdadi e seu porta-voz.

Al-Baghdadi cometeu suicídio em outubro para evitar ser capturado durante uma operação das forças especiais dos Estados Unidos em seu esconderijo na província de Idlib, no noroeste da Síria .

O grupo extremista do Estado Islâmico na Província da África Ocidental (ISWAP), nos últimos meses, intensificou seus ataques contra cristãos e trabalhadores das agências humanitárias e de seguranças na região, estabelecendo barreiras nas principais estradas e realizando buscas.

Um vídeo anterior, visto pela Agência de Notícias Reuters, dizia que os cristãos haviam sido capturados em Maiduguri e Damaturu, no nordeste da Nigéria, onde combatentes tentam há anos estabelecer um estado separado sob a lei islâmica.

No vídeo anterior os cativos pediram que a Associação Cristã da Nigéria (ACN), juntamente ao presidente Muhammadu Buhari, intervissem e os salvassem.

Na sexta-feira, Buhari condenou os supostos assassinos como “gangues insensíveis, ímpias e insensíveis de assassinos em massa que deram ao Islã um nome ruim por causa de suas atrocidades”.

Ele também pediu unidade entre os cristãos e muçulmanos da Nigéria. “Esses agentes das trevas são inimigos de nossa humanidade comum e não poupam vítimas, muçulmanos ou cristãos”.

O grupo ISWAP se separou do grupo armado nigeriano Boko Haram em 2016, prometendo lealdade a al-Baghdadi. Ele intensificou os ataques a postos e tropas militares em meados de 2018, mas cada vez mais começou a atingir civis.

O levante armado de uma década no nordeste da Nigéria matou 36.000 pessoas e deslocou cerca de dois milhões, segundo as Nações Unidas .

A violência se espalhou para o vizinho Níger, Chade e Camarões, levando à formação de uma coalizão militar regional para combater os combatentes.