É um privilégio ser perseguida por Cristo, diz jovem cristã

É um privilégio ser perseguido. Não fique triste ou desanimado, disse a jovem

É um privilégio ser perseguida por Cristo, diz jovem cristã
É um privilégio ser perseguida por Cristo, diz jovem cristã

A Bíblia diz que ser perseguido por causa do nome Jesus Cristo é um privilégio, Bahia* é uma jovem cristã de 22 anos, que foi perseguida na Índia, e sabe muito bem o que isso significa, depois que ela e sua mãe foram vítimas da perseguição religiosa.

Quando a Bahia se tornou cristã, seu irmão ficou incrivelmente doente. Os médicos disseram à família que não havia nada que pudessem fazer, então sua mãe pediu para que ela orasse, e assim ela o fez. O irmão da Bahia foi curado e sua mãe chegou à fé.

Após seu irmão ser curado, a jovem e sua mãe foram perseguidas implacavelmente pelos extremistas por deixar o hinduísmo seguir Jesus.

Fomos abusadas ​​verbalmente, e os líderes de nossa aldeia realizaram muitas reuniões sobre nós, disse Bahia. “Mas não vimos a violência chegando. Passou uma semana depois de voltarmos à vila.” Isso aconteceu de repente.  

A jovem foi arrastada de sua casa quando mulheres e homens a espancaram, gritando com ela para deixar a vila. Alguém pegou a Bíblia na qual ela se apegou, e gritou; “Vamos queimar este livro”, disseram eles.

“Faça o que quiser comigo”, pediu Bahia, “mas não destrua a Bíblia.” Eles a arrastaram para longe. Ela não sabe o que aconteceu com sua Bíblia.  

Enquanto a arrastavam pela vila, uma imagem surgiu em sua mente: uma imagem de Jesus sendo empurrado e chutado em direção ao Calvário.

Ela perdeu a consciência e acordou na floresta junto com os outros 19 cristãos. Um deles telefonou para a polícia. Os policiais chegaram tarde da noite e trouxeram os outros moradores.

“A polícia simplesmente disse a todos que deveríamos viver juntos em paz. Então eles foram embora.” Voltamos à vila novamente.

Sofrendo por Cristo

Apenas alguns dias se passaram antes que os moradores da vila, se tornassem agressivos novamente. Eles chamaram os cristãos para outra reunião.

Nos recusamos a desistir de nossa fé, o que os deixou com muita raiva, disse Bahia. “Eles se tornaram agressivos porque éramos muito persistentes em seguir Jesus. Eles nos disseram para deixar a vila, dizendo: Os cristãos pertencem a países estrangeiros.”  

Desta vez, os cristãos deixaram sua vila por vários meses. Eles acharam graça com um policial em particular. Ele forçou os aldeões a permitir que Bahia e outros crentes voltassem para casa.

Mas a Bahia não voltou. Ela foi para uma escola bíblica. “Quando eles nos expulsaram da vila, ameaçaram abusar ou me matar se eu voltasse.” A situação na vila ainda não foi resolvida.  

“Quero passar mais tempo aprendendo sobre Deus, para que um dia eu possa voltar com o evangelho. Essa é a promessa que fiz à minha mãe. É meu desejo profundo compartilhar a palavra de Deus. Quero dizer a todos que Jesus não morreu apenas por estrangeiros. Ele morreu por todos.”

Essa é a minha mensagem para as pessoas na minha aldeia, para as pessoas na Índia e para as pessoas fora do nosso país. Disse a jovem, ao Portas Abertas.

Bahia, expressou sua gratidão à organização de apoio aos cristãos perseguidos o ministério Portas Abertas; “Esse apoio foi muito significativo”, disse Bahia. “Eu não tinha dinheiro nem roupas. Então vocês veio.

Quando perguntada se ela tinha uma mensagem para nossos apoiadores, ela disse:

“Não tenha medo quando a perseguição chegar até você. Faz parte da vida cristã. É um privilégio ser perseguido. Não fique triste ou desanimado.”

“Por favor, ore para que Deus me ajude a cumprir minha visão: compartilhar Sua palavra com os incrédulos. Especialmente na minha aldeia, mas também em outros lugares onde a palavra de Deus se opõe. Também tenho um profundo desejo de que meu pai e meu irmão tenham fé.” Pediu a jovem cristã.