Cristã sai deficiente da prisão na China após 7 anos de tortura

A mulher era frequentemente sujeita a espancamentos e tortura por se recusar a renunciar à sua fé

Cristã sai deficiente da prisão na China após 7 anos de tortura
Mulher sendo torturada em uma prisão na China. Foto: Ilustração

Em maio deste ano, uma mulher cristã foi libertada deficiente da prisão na China, após sofrer quase sete anos de tortura, por ser membro da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG), uma das igrejas mais perseguida na China.

Ela foi condenada em dezembro de 2012, aos 44 anos, e chegou em sua casa deficiente e traumatizada, incapaz de trabalhar após sofrer anos de tortura e trabalho forçado na prisão, sua vida nunca mais será a mesma. Ela contou sua história para Bitter Winter.

Trabalhar em condições perigosas

A mulher foi designada para trabalhar na oficina de confecção de malhas da prisão na China, que sempre estava empoeirada e cheirava a produtos químicos, a fumaça negra de uma fábrica prisional próxima quase sempre a penetrava.

A cristã foi forçada a trabalhar nessas condições insuportáveis ​​por pelo menos 13 horas por dia. “Tinha que começar o trabalho às 6h30 e terminava às 20h ou 21h, sem pausas, exceto nas refeições. Eu tinha que comer rápido; caso contrário, os guardas me repreenderiam”, lembrou a mulher.

“Tinha que ser rápido, até mesmo para ir ao banheiro. O não cumprimento da cota diária levaria a punições.”

Cristã sai deficiente da prisão na China após 7 anos de tortura
A cristã era forçada a trabalhar nessas condições na oficina de costura da prisão. Foto – Ilustração

“Sempre me senti tonta e enjoada ao respirar o ar fedorento da oficina”, continuou a mulher. “Depois de três meses trabalhando lá, comecei a sentir dificuldade em respirar, às vezes sem fôlego. Mas os guardas não se preocuparam com a nossa saúde.

Maltratada e espancada por não renunciar à sua fé

A mulher era frequentemente sujeita a espancamentos e tortura por se recusar a renunciar à sua fé. Os guardas da prisão a pressionaram a assinar as chamadas “três declarações”, ou seja, a Declaração de Confissão, Declaração de Crítica e Declaração de Desmembramento. Ela foi mantida em uma cela solitária de 4 metros quadrados por um mês para fazê-la assinar as declarações.

“Era um quarto escuro sem luz. Comi, dormi e me aliviei lá. Fui vigiada 24/7. O quarto cheirava terrível, o cheiro quase me sufocou”, lembrou ele. Recebia muito pouca comida, na prisão e sentia-se frequentemente faminta e era forçada a dormir no chão de concreto, com apenas um cobertor para se cobrir.

Mesmo após o mês de confinamento, ela se recusou a assinar as declarações, então os guardas impuseram-lhe mais punições. Um dia, uma guarda feminina arrastou a mulher para um canto, longe das câmeras de vigilância, e pisou com um sapato de salto alto na ponta do pé direito, pressionando até começarem a sangrar.

“Eu podia sentir a dor aguda nos dedos dos pés. Meu dedão estava cortado e sangrando; Deixei um rastro de sangue onde quer que fosse. Todos os meus dedos do pé direito ficaram pretos arroxeados”, lembrou a mulher.

“Um guarda uma vez chutou com força o lado direito das minhas costas. De repente, senti como se estivesse sufocando, e levei um bom tempo para me recuperar.”

Os maus-tratos persistiram, os guardas da prisão empregando uma variedade de meios para atormentá-la. Às vezes, ela ficava impedida de se lavar por um mês. As porções de sua comida foram intencionalmente cortadas, ela foi forçada a passar a noite inteira em pé ou a ficar de pé ao sol em um dia quente.

Os guardas também ordenaram que suas colegas de cela a espancassem em uma tentativa brutal de forçar a mulher a assinar as declarações que refutavam sua fé.

Deficiente pelo resto da vida

A saúde da mulher começou a se deteriorar drasticamente. Ela logo teve que fazer uma pausa de vários minutos apenas para subir um degrau da escada. À noite, ela não conseguia dormir por causa da tosse pesada. Em agosto de 2016, um médico da prisão a examinou e concluiu que seus pulmões estavam infectados, ele receitou-lhe algum medicamento.

Não ajudou, a tosse estava piorando. Ela era obrigada trabalhar diariamente, completando sua cota diária de anexar 600 etiquetas nas blusas, independente de sua saúde debilitada. Se ela não atingisse a cota, seria punida.

Em 2018, a mulher foi diagnosticada com tuberculose, mas ainda permaneceu na prisão por mais de um ano. Antes da prisão, a mulher pesava 46 kg, mas apenas 32 após a libertação.

Quando ela voltou para casa, um médico local confirmou que o atraso no tratamento da tuberculose havia danificado irrevogavelmente o pulmão esquerdo, que agora quase não funciona e não pode ser curado.