Polícia e extremistas hindus interrompe culto de 6000 fiéis na Índia

Polícia e extremistas hindus interrompe culto de 6000 fiéis na Índia
Polícia e extremistas hindus interrompe culto de 6000 fiéis na Índia

A polícia interrompe culto ao ar livre de 6.000 fiéis no norte da Índia, na última terça-feira 15, após extremistas hindus denunciar com falsas acusações de magia negra, posse de armas e conversão forçada contra o pastor, disseram fontes.

Um oficial administrativo do distrito de Bahraich, Uttar Pradesh, chegou com a polícia na vila de Pandeypurwa, anunciando que o local ao ar livre para a reunião tinha que ser desocupado às 8h, disse o pastor de 23 anos, Santosh Jaiswal.

Pelo menos 6.000 estavam presentes para orações, e em poucos minutos a congregação se dispersou e a polícia desmantelou o palco e as barricadas. Fui denunciado por insultar crenças religiosas e por possuir armas, mas nunca havia falado sobre nenhuma religião. Eu não possuo nenhuma arma, disse Jaiswa ao MorningStar.

Dois oficiais administrativo investigaram alegações de conversão forçada, e não encontraram provas contra o pastor, mas a polícia ordenou que ele parasse os cultos. Ele se mudou para a área para proclamar Cristo, entre os moradores rurais na fronteira com o Nepal há menos de sete meses, disse ele.

Cerca de uma semana antes, um jornalista de casta hindu, veio ao culto de domingo com câmeras, e filmou a congregação levantando as mãos e orando, alguns gemendo enquanto eram mantidos por espíritos malignos, e também entrevistou pessoas que experimentaram a cura, lembra o pastor.

Logo a mídia local noticiou as orações como rituais de magia negra, e que um padre cristão está promovendo a crença cega. Os policiais repetiram as mesmas acusações, mas não tiveram êxito.

Alguns membros da congregação vieram até mim e pediram para me esconder, temendo minha prisão. “Eu queria enfrentar a polícia mesmo que isso levasse à minha prisão, mas fui transferido para a casa de um crente em segurança”. disse Jaiswal.

O Primeiro Relatório de Informações também cita como réus a esposa do pastor, e sua irmã Kunti Devi e uma crente. O local de culto aberto de cerca de um acre pertence a sua irmã, que o disponibilizou para o ministério, disse ele.

As pessoas que sofrem de doenças de longa duração e as cativadas por espíritos malignos são aliviadas por meio de orações, disse ele. Compartilhamos o evangelho com eles. Quando creem em Cristo, são curados. Somente a fé deles os cura, não sou eu. Eu não sou ninguém para realizar milagres ou truques de mágica. Quando uma pessoa com dor pede orações, tudo o que faço é orar por elas.

Ele estava trabalhando como supervisor em um bar em Delhi, quando conheceu sobre Cristo e desenvolveu um forte desejo de proclamar com ousadia sua fé perante o maior número possível de pessoas, disse ele.

Ele deixou seu emprego e recebeu treinamento no estado de Haryana por dois anos, depois voltou para sua terra natal, Pandeypurwa, para ministrar entre seu próprio povo, disse ele.

Em março, éramos uma igreja local com 12 crentes. “Logo os doentes e as pessoas que precisavam de orações chegaram até nós. Ao orarmos, o Senhor lhes deu libertação, e as pessoas também vieram de aldeias distantes. Quando alguém recebe a cura, toda a vila, fica curiosa para saber sobre Cristo, fica repleta de orações.”

Dentro de alguns meses, centenas de pessoas aumentaram para milhares. Agora, pelo menos 6.000 pessoas se reúnem para orações aos domingos e durante a semana. Explicou o pastor Jaiswal.

O presidente da vila, sempre esteve ciente dos cultos da aldeia e nunca se opôs a eles, disse Jaiswal, surpreso com tudo que aconteceu.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui